Para quem está começando, há alguns caminhos possíveis:

– você pode fazer um passeio para um destino turístico como Angra dos Reis, *Campos do Jordão, *Itatiaia, *Peruíbe,  São Francisco Xavier, Teresópolis, *Ubatuba e contratar um guia ornitológico para sair com você em um dos dias. (veja mais informações na seção Guias, aba Mata Atlântica. Se você não mora longe da região da Canastra, vale a pena contratar algum dos guias do Cerrado).

– passeios em áreas rurais, banhados, sítios e parques também são bons começos, mas é preciso dizer: na companhia de um guia ou de uma pessoa mais experiente você verá muito mais aves. Depois de um tempo sua visão fica mais apurada e você consegue ver e ouvir mais.

– um dos melhores lugares para passarinhar, com diversas mordomias para quem está começando é a Reserva Guainumbi, a 190 km de São Paulo. É a certeza de ver muitas aves, principalmente no inverno quando os comedouros estão lotados, e há muitas aves nas trilhas internas e na estrada principal que corta o Parque Estadual da Serra do Mar.

– Se você não tem pressa em ver muitas espécies de uma vez, passeios em parques urbanos das cidades também rendem fotos. O próprio Parque Villa-Lobos tem várias espécies. Post de um passeio feito em setembro de 2011.

Comece em algum
lugar fácil

A cidade de São Paulo tem mais de 330 espécies de aves. Há muitas no *Parque Estadual da Cantareira, mas em qualquer parque existem diversas espécies. Áreas rurais de cidades do interior, brejos, lagoas, sítios e chácaras sempre rendem fotos. O CEO – Centro de Estudos Ornitológicos (ceo.org.br) promove cursos para iniciantes e passeios para os afiliados. O Wikiaves (wikiaves.com.br) é o maior site de aves brasileiras. Sua ferramenta de busca permite pesquisar por cidade e entrar em contato com o autor das fotos.

A foto ao lado é um falcão-de-coleira em uma antena de prédio na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo. Registrado pela vizinha de prédio *Claudia Komesu com uma Nikon D300, lente Sigma 50-500 VR. ISO 250, f/6.3, 1/320, sem flash.