Passeio: Marambaia – Jaú (SP). Brejo com muitas aves aquáticas e outras belezas, abr/12. Por Paulo Guerra.

Não é difícil avistar e registrar, por exemplo, o tuiuiú, cabeça-seca, carão, asa-branca, irerê, pé-vermelho, pato-do-mato, jaçanã, pernilongo-de-costas-brancas, tapicuru-de-cara-pelada, colhereiro, frango-d’água-azul, trinta-reis-grande, maçarico-de-colete, águia-pescadora,

Belo Horizonte – MG e arredores. Mais de 280 espécies de aves em locais de fácil acesso, mar/12. Por João Sérgio Barros.

Belo Horizonte conta com inúmeras áreas preservadas, onde também podemos encontrar campos rupestres e campos ferruginosos, biomas ameaçados pela mineração, além de áreas ainda muito pouco amostradas, como a região da serra da Gandarela. Até existe na literatura um registro recente, não documentado, de uma grande ave de rapina, que foi atribuída à harpia (a mais poderosa águia do mundo), para a região metropolitana de BH!

Destino favorito: Sacramento e Serra da Cananastra (MG), mar/12. Por Alessandro Abdala.

Por que vale a pena: Sacramento está situada numa área de transição entre Mata Atlântica e Cerrado. A coexistência desses dois biomas garante uma grande ocorrência de aves. A lista oficial da cidade já conta 403 espécies, só no Wikiaves são mais de 300 espécies publicadas, algumas raras e emblemáticas como o pato-mergulhão (Mergus ocoscetaceos), …

Relato de viagem – Norte do Tocantins set/2011 – por Claudia Komesu

Sentados na varanda, olhando aquelas palmeiras altas, vendo sobrevoar os xexéus, os papagaios, as jandaias, os pássaros-pretos, você vê como é fácil amar aquele lugar, do jeito que o Rafael (o dono da fazenda) ama, e busca uma forma de cuidar dela sem ter que partir pra criação extensiva de gado, ou para a destruição que a soja traz.