No final de dezembro de 2016 fiz uma viagem de família pra Áustria e Alemanha porque meu enteado queria experimentar esportes de neve. Em 2014 ele fez um pouco de sandboard, e achou que poderia gostar de snowboard e esqui, então quando planejávamos a viagem de 2016, procuramos um lugar com neve.

O Colorado nos Estados Unidos é um dos locais mais famosos pra esquiar, mas o inverno lá é altíssima temporada, que se reflete em preço de passagens e de hospedagem. Depois de pesquisar bastante, encontramos alguns locais na Áustria e sul da Alemanha que pareciam ter boas pistas para iniciantes, e que ainda havia casas pelo Airbnb. Com esses critérios, fomos pra Innsbruck, Grassau (sul da Alemanha, na divisa com a Áustria), Wörgl e Niederau.

Fomos antes do Ano Novo e a viagem não foi nada do que esperávamos. Na primeira semana não tinha neve e o Cris ficou doente, com febre. Experimentamos o snowboard e traumatizamos, descobri que os esportes de neve exigem muitos músculos que eu não tenho, desisti no início da aula. O Daniel ainda aguentou a aula toda, mas depois decidiu que não queria passar mais dias fazendo aulas, e sim só rolando pela neve, fazendo bonecos, fortes, guerrinha de bolinhas de neve. E tudo bem, são férias. O conceito de férias é se divertir, e eu e o Cris concordamos que não íamos obrigar o Daniel a fazer aulas.

Não fizemos roteiro pra ver lugares com aves migratórias. O que consegui passarinhar foram passeios nas redondezas de onde estávamos hospedados, só as aves comuns em cidades europeias. Eurasian Blackbird, Common Chaffinch, Great Tit, Eurasian Blue Tit, pardal e um primo, o Eurasian Tree Sparrow, pombos domésticos, corvos. Com menos abundância vi Eurasian Bullfinch, Coal Tit, Marsh Tit, Eurasian Kestrel, Mallard, Great Spotted Woodpecker, Eurasina Magpie, Common Buzzard. Vi um trush pintatinho, talvez o Mistle, uma Purple Heron e um White-throated Dipper (este foi lifer). Uma frutinha vermelha, talvez Rowan, um tipo de pernilongo (o Daniel que trouxe pra eu fotografar, um amor), alguns líquens. Cenários muito bonitos. Mas nenhum mamífero silvestre, mesmo com todas as minha mentalizações de “uma raposinha, uma raposinha”.

As fotos no final da galeria foram minhas tentativas de fotografar flocos de neve, graças às informações de Alexey Kljatov, que conseguiu fotos incríveis usando um equipamento simples e caseiro, e publicou as instruções detalhadas no blog dele: http://chaoticmind75.blogspot.com.br/2013/08/my-technique-for-snowflakes-shooting.html e http://www.huffingtonpost.com/2013/12/03/alexey-kljatov_n_4373888.html. Eu não tentei com muito afinco, não tinha o tal banco e placa de vidro, levei bronca dos austríacos por levar um banquinho da casa pra neve, e quando finalmente estava conseguindo alguns resultados com flocos no meu gorro, a temperatura subiu e os flocos que caíam já estavam um pouco derretidos. Mas é realmente mágico pensar que cada floquinho de neve tem esses desenhos incríveis.

Compartilho neste post algumas das fotos de natureza.  No site de viagens com a família fiz um post completo contando o que achei da experiência de pegar neve pela primeira vez. Diversões na neve, roupas certas, como foi dirigir na neve, um pouco de Munique: http://heart3.me/primeiro-contato-com-a-neve-austria-e-alemanha-dez16/