Birdwatching e conservação da natureza

Conversando por email com alguns amigos sobre esse tema, surgiu a ideia de enviar duas perguntas para vários conhecidos do mundo do birdwatching, pedindo para comentarem sobre birdwatching e conservação. O post com as respostas dos outros colegas está aqui. Quem escreveu mais, no caso o Geiser Trivelato, fiz um post só pra pessoa. Este é o post com a minha resposta. Qualquer pessoa está convidada a divulgar seu trabalho a favor da natureza, basta mandar um email para claudia.komesu@gmail.com

 

1 – Na sua opinião, qual deveria ser a relação entre birdwatching e preservação da natureza?

O mundo tem muitos problemas e injustiças e acredito que é preciso escolher suas lutas. Entendo que a destruição da natureza, pra pessoas comuns (ou normais), esteja no mesmo nível de crise de refugiados, corrupção, muro no México, violência contra mulheres, violência contra quem não é heterossexual, suicídio de adolescentes, tráfico de crianças na Índia.

Mas se você é um birdwatcher que encontra tantas alegrias passarinhando, que gasta tanto dinheiro com equipamento e viagens, tantas horas fotografando, editando, divulgando suas fotos nas redes sociais, como é que a destruição da natureza não se torna uma questão crucial?

Por que a gente se tornou uma comunidade que valoriza tanto lifers e fotos impressionantes? Não tem nada de errado em ir atrás de lifers, comemorar lifers, metas, fotos. Mas por que agimos como se isso fosse o cerne do birdwatching, a ponto das questões de preservação ficarem em segundo plano, ou nulas? Será que ficamos escravos dos likes? É compreensível que seja fácil dar um like ou comentar algo que é só beleza e alegria. Mas como birdwatchers, a gente não deveria prestar uma atenção especial aos temas que envolvem proteger a natureza, tanto para agir e divulgar ações, como para apoiar as ações dos colegas?

Meu objetivo não é criticar nenhuma pessoa. Na verdade, eu não saberia dizer “fulano ou fulana são apenas ego-e-vaidade”, porque eu não sei o que as pessoas fazem, não me acho no direito de julgar os outros. Não quero criticar pessoas, quero que a gente pense como comunidade. Tudo que fazemos publicamente repercute e influencia. Tenho certeza de que se várias pessoas começarem a falar mais sobre proteção à natureza, podemos fazer com que isso se torne um assunto importante, talvez tão importante quanto lifers.

 

2 – O que você tem feito, e que outras ideias você acha possíveis, para incentivar a relação entre birdwatching e preservação da natureza?

Nossas ações a favor de um mundo melhor são mais efetivas quando aliamos talento, competência, com pouco sofrimento. Não tem a ver com pouco trabalho ou muito trabalho, mas como você se sente. Se você fizer algo que traz sofrimento, provavelmente não conseguirá fazer isso por muito tempo. Acredito de verdade que toda pessoa tem um ponto em que genética, personalidade, vivência, fazem com que ela seja especial. Todo mundo deveria saber o que elas têm de raro ou incomum, e investir nisso.

Sou uma editora aposentada, posso escolher o que quero fazer. Desde 2012 mantenho o Virtude-ag. Aprendi WordPress, durante meses estudei e apanhei de templates e plugins, construí e alimento o site. A hospedagem (cerca de R$ 1.600 / ano, agora mais com a alta do dólar) é meu marido quem paga.

Faço campanhas sobre temas diversos relacionados com reflexões sobre o birdwatching e, mais recentemente, feminismo e birdwatching. http://virtude-ag.com/category/tipo/blog/apenas-blogando/ e http://virtude-ag.com/feminino/

Coordenei a produção do Super RG da Reserva Guainumbi, um Super Trunfo de aves brasileiras, um projeto muito legal, que contou com a ajuda de vários amigos, mas que teria sido impossível sem a Cássia La Serra.

Coordenei a produção dos miniguias de Jacutinga, e contribuí com fotos. Ajudei na construção do site do Geiser, em Webs, muitos anos atrás.

Coordenei a captação e negociação de venda de fotos de Mata Atlântica pro painel no Parque da Nacional da Tijuca, e doação do dinheiro arrecadado pra SAVE.

Participei intensamente dos debates no Facebook e da interlocução com a Fundação Florestal na construção da Portaria Estadual FF/236/2016, que tornou claro que o birdwatching não pode ser proibido em parques estaduais de São Paulo.

Participei de uma reunião com o Jardim Botânico de São Paulo em 2013, que resultou em retirada da proibição à entrada com tripé, e mais conhecimento sobre o que é o birdwatching.

Apoiei as campanhas pela preservação do Tanquã.

Produzi uma revistinha de divulgação do birdwatching (com ajuda do Alessandro Abdala e de vários colegas) e distribuí no Avistar de 2012. Mais uma vez, foi o Cris quem pagou os custos da impressão.

Fui voluntária da RPPN Guainumbi, ajudei com site, apresentações, participava do “conselho” que discutia os problemas.

Promovi campanhas de concursos de fotografia no Virtude-ag, com prêmios como HD externo, alça Black Rapid.

Escrevi a apresentação pra o livro do querido Tancredo Maia, Nasce um Beija-flor e cedi algumas fotos.

Ajudei um pouquinho no livro do Alessandro Abdala sobre a Canastra, com leitura (por cima), e algumas sugestões.

Sempre cedo direito de uso de fotos para trabalhos científicos, culturais ou de divulgação da natureza.

Publico materiais diversos de divulgação do birdwatching. Alguns dos mais acessados são a publicação no ISSU com dados do censo de 2012 do US Fish and Wildlife, que traz dados socioeconômicos sobre a atividade nos EUA https://issuu.com/claudiakomesu/docs/perfil_birdwatcher_euaxbrasil_2011, e um videozinho de divulgação geral sobre birdwatching (no fim do post). Sou péssima em me divulgar, mas no meu canal do youtube tem outros vídeos, como inspirações de outros países, e relatos de viagens em formato de vídeos-fotos. Coloquei algumas fotos no Pinterest, e no futuro pretendo colocar mais imagens de natureza.

Gosto de ilustrações. Fiz o desenho do mocho-dos-banhados pras camisetas do Gustavo Pinto. Meus talentos são bem limitados, como diria o pessoal do Procura-se Amy, na verdade eu mais faço tracing do que qualquer coisa. Mas dá pra ter bons resultados. Além do mocho, fiz um desenho de harpia que ficou lindo, um bom cauré, trinta-réis-pequeno alimentando filhote… vou juntar uma coleção e pensar no que faço. Adoraria ver a natureza brasileira na moda, em estampas de lojas como a C&A, isso impulsionaria muito a divulgação. Quem sabe um dia.

Se você tem algum bicho icônico da sua região, e gostaria de ter uma ilustração desse tipo, fale comigo. Só preciso de um tempo. Não cobro nada, é pelo prazer de ajudar em divulgação.

Exemplo de imagens no Pinterest.

 

Uma declaração de amor pela Canastra: o livro “Serra da Canastra: Refúgio das Aves do Cerrado”, de Alessandro Abdala, por Claudia Komesu, jan/18

Blogando: Por que sou contra a obrigatoriedade de credenciamento para guias de birdwatching, nov/17, por Claudia Komesu

Sua chance de contribuir para a sobrevivência do mocho-dos-banhados, abr/17

Eu Divulgo Natureza: Você no Terra da Gente, mar/17, por Claudia Komesu

Eu Divulgo: Painel da Mata Atlântica no Parque Nacional da Tijuca, ago/16, por João Sérgio Barros

Biblioteca: Portaria de Observação de Aves da Fundação Florestal – mar/2016

2a edição do miniguia fotográfico Jacutinga – MG: mais 150 aves maio/15

Produtos: Livro Nasce um beija-flor, lançamento 6/maio/15 em Brasília – DF, por Tancredo Maia

Eu Divulgo: Resultado do Concurso Fotográfico do Tanquã, maio/14, por Claudia Komesu

Livre Divulgação: Apresentação “Aposte no Birdwatching Brasileiro”, dez/13

Eu Divulgo: carta para o Secretário de Estado do Meio Ambiente, Bruno Covas, nov/13. Por Claudia Komesu

Eu Divulgo: A questão do tripé no Jardim Botânico de São Paulo, nov/13, por Claudia Komesu

Jogo de cartas sobre aves brasileiras para download gratuito

Miniguia fotográfico Jacutinga 150 Aves. Conheça as aves de Jacutinga – MG, jan/13.

Revista Virtude 2012 – páginas impressas

 

 

Ações a favor da divulgação do birdwatching e da conservação da natureza (+)