• Câmera: Sony DSC H50 e Nikon D5100 e lente Nikkor 55-200
  • Texto: Maria Cristina Dias

Quando seu olhar encontra o meu

Flagrar o instante fugaz em que o olhar da ave encontra o seu é algo mágico. Um grande prazer. Nestas horas sempre fico imaginando o que se passa naquela cabecinha quando vê este ser (o observador) com uma máquina na frente dos olhos apontando para ela. Às vezes me parecem olhares curiosos, questionadores. Mas muitas vezes são irritados, quase agressivos, prontos para a briga. Ao rever os meus álbuns de fotos para fazer esta seleção me dei conta de que as imagens que resultam deste encontro estão – definitivamente – entre as minhas favoritas.

Nesta busca, uma sequência feita quase por acaso me chamou a atenção. Em agosto de 2012 apareceu aqui em casa uma saíra que eu nunca tinha visto antes. Observadora de quintal que sou, fico atenta aos meus muitos visitantes e aquela espécie, com certeza, não costumava pousar por estas bandas. Mas um dia ela apareceu já no finalzinho da tarde e fez um pit stop no comedouro, embaixo da goiabeira. Eu estava com a câmera por perto (sempre) e fiz uma foto horrorosa, escura. Apesar disso, deu para identificar a espécie: era uma saíra sapucaia.

Esperei que ela aparecesse no dia seguinte, mas foi em vão… nada. Ou voltou e nós nos desencontramos. Alguns dias depois, porém, ela retornou à goiabeira, atraída pelo comedouro. Desta vez a luz estava legal e consegui fazer uma série de fotos rapidamente. Logo a lindinha bateu asas e voou – e eu nunca mais a vi.

Separei uma foto, enviei para o Wikiaves, compartilhei com os amigos no Face… isso que a gente sempre faz quando se empolga com uma ave. As fotos foram guardadas nas inúmeras pastas de imagem do computador.

Agora, revirando meus “baús”, achei o material e parei para observar mais atentamente aquelas imagens. E me surpreendi – e me encantei – ao perceber que a saíra estava atenta a mim em todos os momentos, assim como eu estava atenta a ela. Me acompanhando com o olhar, assim como meu olhar e minha lente a acompanhavam. Foram cerca de 30 cliques, e em pelo menos 18 deles a ave mirava diretamente a câmera, fazendo as mais variadas expressões, quase dialogando com a lente. Um momento único, que só agora, seis meses depois, e graças a esta procura por um olhar diferenciado na fotografia de aves que o Lado B estimula, eu consegui perceber de forma mais ampla.

 

Mais álbums do Lado B – 4a rodada

 

O Lado B da fotografia de aves é uma campanha da Virtude-AG pela valorização da beleza, criatividade e diversão, e não apenas a raridade da espécie e proximidade da ave.

Selecione fotos bonitas, e tente pegar as que passam essa sensação de “encarar”. Às vezes a ave está virada para frente, mas olhando ao longe, ou para outra direção. Escolha as fotos em que você se sente observado, analisado, medido ou até intimidado :o)