Se me perguntassem, eu diria que é pela beleza. Beleza, facilidade, simplicidade. As pessoas também são bonitas, mas é complicado fotografar gente.

 

Se são desconhecidos, você não pode fotografar sem autorização. Se são amigos, família, fotografar é parar de interagir. Fora que a maioria das pessoas perde a espontaneidade frente a uma câmera, aquela beleza que você viu já não tem mais. As aves podem se assustar com você, mas não ficam sem graça na frente das lentes. Se você se aproxima do jeito certo, muitas vezes elas não interrompem o que estão fazendo. Voyeurismo total. Lindas de doer. E fotografar com uma boa tele traz o tal efeito de fundo desfocado. Você tem o prazer de olhar pelo visor, e depois para a telinha cenas semelhantes mas com grandes diferenças.

E é verdade que tenho um carinho especial pelas fotos de aves comuns, ou pouco valorizadas. Meu lado populista? Meu lado que gosta de ver a beleza em todos os lugares, principalmente nos lugares simples, que me leva a me deleitar com restaurantes de beira de estrada com comida caseira deliciosa, e a julgar com severidade os restaurantes de São Paulo que se acham muita coisa. Eu já quis só as coloridas. Hoje me derramo pela beleza dos LBJs.

Uma boa foto congela o momento, enobrece o tema, traz um tom épico. Claro, não pra todo mundo. Muita gente pode ler isso e achar tudo uma grande asneira. Mas aos poucos vou tentando cultivar as fotos que trazem um clima, que meu olhar ou edição amorosa podem revelar mais do que o prazer de uma espécie bem representada. Quero tirar fotos que representem momentos, não apenas as aves.