Parque-Aimarata_30
Parque-Aimarata_30
Parque-Aimarata_31
Parque-Aimarata_31
Parque-Aimarata_32
Parque-Aimarata_32
Parque-Aimarata_33
Parque-Aimarata_33
Parque-Aimarata_34
Parque-Aimarata_34
Parque-Aimarata_35
Parque-Aimarata_35
Parque-Aimarata_36
Parque-Aimarata_36

 

  • Texto e fotos: Claudia Komesu com Nikon D800 e Nikkor 300 f4 VR
  • Parque Aimaratá: http://aimarata.com.br/site/
  • Passeio guiado por Gustavo Pinto. Contatos do Gustavo: pavopinto@hotmail.com / (19) 99661.1929

No Parque Aimaratá, em Americana, guiada pelo Gustavo Pinto. O Parque Aimaratá é administrado por pessoas que realmente amam a natureza. Há um viveiro de mudas nativas da Mata Atlântica, eles fizeram parceria com o Gustavo, as escolas vão lá fazer Estudo do Meio, e de vez em quando o Gustavo mostra o birdwatching pras crianças.

A mata está em processo de recuperação, eles têm replantado há mais de 8 anos, e o objetivo é reflorestar cada vez mais. Nesse passeio em setembro de 2016, em algumas horas o Gustavo viu-ouviu 112 espécies, eu fotografei umas 30 e vi mais umas 30 e poucas. Vários migrantes ainda não chegaram, e tivemos muitos momentos de mata silenciosa, mas foi um ótimo dia, com direito a dois lifers pra cidade de Americana — o tiê-preto e o fura-barreira. Um local tranquilo, agradável e que está investindo no birdwatching, vale a pena conhecer.

Postei as fotos no Facebook e a dona do Aimaratá, a Ana Zanaga Zeitlin comentou o post, agradecendo pela visita e pela divulgação. Por conversas com o Gustavo Pinto, sei que essa Ana é muito gente boa, a família toda é a favor da natureza, e ela sempre ajuda o Gustavo. Por exemplo, ele precisava cuidar de um terreno em que os mochos-dos-banhados procriam – os moradores queriam atear fogo para acabar com o mato, ele sempre explica sobre as corujas, perguntou se ele roçasse uns 2 metros perto da calçada seria o suficiente, eles disseram que sim, então o Gustavo foi falar com a Ana, e ela emprestou o trator do Parque para a tarefa, ele conseguiu doação de diesel com um outro colega, pagou um motorista, e fizeram mais uma ação para proteger os mochos.

O parque também tem um ótimo restaurante, bastante concorrido nos fins de semana, que serve (entre outros pratos) peixe assado no estilo Rua do Porto de Piracicaba.

 

Cuidado com carrapatos

Quando for visitar o Parque Aimaratá, só é preciso um cuidado especial: assim como várias áreas do interior que tinham ou têm criação de gado e cavalos, ou presença de capivaras, o parque tem locais com bastante carrapato e micuins. Se você só ficar nas trilhas limpas, provavelmente não terá problemas. Mas se entrar no meio do capim alto só porque o corrupião apareceu, que foi o que eu fiz, você corre o risco de pegar os bichinhos. Peguei muitos, mesmo com a meia por cima da calça os micuins entraram.

Sempre que você andar numa trilha, veja se não pegou carrapatos. Em geral é fácil de resolver com um banho de Scabim ou sabonete de enxofre, mas há o risco da febre-maculosa, transmitida principalmente pelo carrapato-estrela. Parece que é preciso que o bicho fique pelo menos 2h em você para transmitir a bactéria, mas o problema é que se você esmaga um carrapato, em vez de matá-lo antes de tentar tirar, e ele tiver a bactéria você estará favorecendo a contaminação. Leia mais sobre a febre-maculosa: http://www.mdsaude.com/2015/09/doenca-do-carrapato.html

 

Aves fotografadas

Fura-barreira

Tiê-preto

Mariquita

Canário-do-mato

Saíra-de-chapéu-preto

Saí-canário

Arredio-do-rio

Pia-cobra

Corrupião – área de soltura

Cardeal-do-nordeste – área de soltura

Pica-pau-verde-barrado

Picapauzinho-anão

Choca-barrada

Tuim

Pitiguari

Bem-te-vi-rajado

Sabiá-baranco

Pula-pula

Encontro

Fim-fim

Andorinha-pequena-de-casa

Risadinha

Pipira-vermelha

Quero-quero

Sovi

Gavião-peneira

Suiriri-cavaleiro

Tesourinha

Beija-flor-tesoura

Alma-de-gato

Irerê

Urubu

Passeios