O Rio, como muitos sabem, tem a maior floresta urbana do mundo, além de ser uma cidade com muitas grandes e belas árvores repletas de epífitas, que lhe é mais um dos encantos mil. O belo e famoso Jardim Botânico (que inspirou artistas do quilate de Tom Jobim), é uma extensão daquela floresta. Arrisco-me q dizer que há um ecótono entre a mata e a cidade, onde podemos observar aves típicas que só encontramos na Mata Atlântica e outras que podem ser vistas em toda cidade, sendo que não raramente encontramos as primeiras nos jardins do Jardim (também conhecido como arboreto), o que torna esse lugar um dos melhores que conheço para fotografar algumas espécies belíssimas de aves típicas de mata, como o tucano-de-bico-preto por exemplo.

Alguns pequenos lagos dispostos no arboreto também atraem aves aquáticas como garças e socós. Inclusive semana passada os amigos do COA/RJ encontraram pela primeira vez um socó-boi (Tigrisoma lineatum) em um desses lagos. Fui lá no domingo para conferir e achei o belo socó, um jovem que, muito tranquilo, nem se importou com uma pessoa que passou correndo ao seu lado – e que sequer o notou, graças à sua ótima camuflagem.

Aliás, o Jardim Botânico, dizem os mais experientes, costuma surpreender mesmo aqueles que já o frequentam há décadas. Coisa de poucas semanas atrás foi o patinho (Platyrinchus mystaceus), descoberto pelo senhor Roberto, observador de aves e em especial de seus ninhos que, diga-se de passagem, tenho o prazer de encontrar praticamente toda vez que vou lá, desde a minha primeira visita, quando ainda morava em BH.

O JBRJ possui até um guia de aves, muito bem ilustrado, com belas fotos de aves e de seus jardins, sem dúvida um ótimo referencial àqueles que queiram conhecer um pouco de sua rica biodiversidade. Um de seus autores, o ornitólogo Henrique Rajão, guia todo último sábado de cada mês os observadores que queiram conhecer as emplumadas de lá. Tive a oportunidade de conhecê-lo, assim como vários colegas do COA/RJ, em uma destas agradáveis passarinhadas.

Bem, é isto amigos, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro abre às 8h, mas se você for um associado pode entrar bem mais cedo, junto com o sol. Para associar-se é só dar uma olhada no site, lá você encontra informações e telefone para contato.

Deixo vocês com alguns registros que fiz na minha última passarinhada no JB e com alguns registros do tucano-de-bico-preto que fiz em outras oportunidades, só pra vocês verem como eles “dão mole”. rs