Depois de quase um ano após a minha visita ao Parque do Zizo, em São Miguel Arcanjo – SP, pude retornar a esse local belíssimo acompanhado pelos amigos do GRIFOO (Grupo de Interessados em Fotografia e Observação Ornitológica) e pelo meu amigo e Fotógrafo Andreas W. Bossert.

 

Marcamos a data de 8 de julho, véspera do feriado estadual, o que facilitaria muito a nossa vida levando em conta a distância entre Americana e o local (em torno de 2:30 hs de viagem). A previsão de tempo se manteve instável por toda a semana, oscilando entre tempo bom, nublado e chuvoso, mas ainda assim decidimos por manter a visita.

Chegamos ao local por volta de 8h da manhã e após uma noite de chuva constante, uma garoa fina continuava a nos acompanhar, embora isso não tenha trazido grandes prejuízos ao acesso por terra até o parque.

Depois de estacionados os veículos descemos a pé até a sede do parque, onde encontramos o Chico e sua irmã acompanhados por 4 visitantes que estavam hospedados no local e que ali estavam em busca de trilhas.

Nosso grupo formado por 7 pessoas optou por não fazer a trilha, devido ao fato de que a combinação chuva + solo escorregadio + equipamento fotográfico não seria apropriada, portanto permaneceríamos na sede fotografando as aves nos comedouros e fazendo pequenas saídas quando a garoa desse trégua.

Qualquer um poderia achar que isto acabou com o passeio, mas mudaria de ideia assim que batesse os olhos nos comedouros que se encontravam a menos de 3 metros de nossas lentes…

Uma variedade de especies multi-coloridas com dezenas de indivíduos faziam revezamento no local devorando avidamente bananas, que não vencíamos em repor!

Saíras-sete-cores, saíras-militares, beneditos-de-testa-amarela, tiês-tinga, guaxe, tecelões e até um pequeno ferro-velho encrenqueiro passavam e repassavam pelo local, dando a oportunidade de serem fotografados em todos os ângulos possíveis.

Quando a chuva nos dava uma pequena trégua, saíamos do abrigo e perseguíamos alguma espécie que não se aproximava dos comedouros ou apenas registravamos aquilo que nos rodeava, manifestações da natureza nesse local tão exuberante. Outros visitantes do local também aproveitavam para dar alguns passeios entre uma parada e outra na chuva fina.

Pula-pula-ribeirinho aproveitando um banho, após a chuva ter dado uma parada…

Qualquer um sabe que fotografar com chuva é muito complicado e principalmente perigoso para o equipamento, mas graças a boa infraestrutura do local e da colaboração periódica da natureza, pudemos passar um dia agradável (embora muuiitoooo frioooo) e conseguirmos dezenas de registros excelentes para todos os participantes.

Após um almoço delicioso preparado no local e compartilhado com nossos amigos trilheiros, que acabavam de voltar com Chico, permanecemos mais algum tempo fotografando nos comedouros e por volta de 15h30 resolvemos seguir viagem e chegou aquele momento que todos aguardavam… a subida de volta até o estacionamento onde haviamos deixado os carros!

Desta vez não foi o velho trator que fez a viagem , como na vez anterior que estive aqui (seria sacanagem, né???) e sim a potente Veraneio super-mega-blaster adaptada pelo Chico, que venceu o terreno acidentado e escorregadio com a maior facilidade e nos levou em segurança até nossos veículos.

Bom, com essa chuva acabamos não tendo a oportunidade de fazer alguma das trilhas do local e agora teremos que voltar para lá, algo que recomendo a quem quiser e tiver um mínimo de espírito aventureiro.

(Obs da Virtude-AG: o local é famoso por ter mata preservada e muitas aves, mas é comum chover na região, e a neblina pode aparecer a qualquer hora do dia. Veja mais informações no site do Parque do Zizo)

Para maiores informações acesse o site do Parque, além da opção de Day-Use (com e sem almoço incluso) você pode também participar do Bird & Foto promovido pelo Octavio Campos Salles. Informe-se e não deixe de conhecer este local único em nosso país.

 

Mais passeios no Parque do Zizo

 

Mata Atlântica (+)