Uma das matas mais preservadas do Estado de São Paulo, em um paraíso para quem gosta da natureza

  • Texto e fotos: João Sérgio Barros.
  • Câmera: Canon 60D e lente Canon 100-400.
  • Informações enviadas em março de 2012.
  • Mais posts sobre Intervales e arredores, clique aqui.

João Sérgio Barros Freitas de Souza é observador de aves desde 1986 quando apaixonou-se pelas aves de rapina. Em janeiro de 2010 começou a fotografar a vida selvagem após conhecer o Wikiaves. É membro do Instituto Pró-Endêmicas e funcionário público em Belo Horizonte-MG.

Parque do Zizo: Reserva particular de Mata Atlântica, aberta a visitação (desde que você faça o agendamento prévio). Fica a 190km de São Paulo, em uma região bem preservada.

A lista oficial de aves tem quase 300 espécies, e também há registros de mamíferos como anta, irara, e até indícios de onça-pintada.

O local é um paraíso para quem gosta da natureza. A pousada tem apenas três quartos, há aquecimento a gás, mas não tem energia elétrica. De carro se chega até a entrada do parque, mas a partir daí só um 4×4, porque há uma descida bem íngreme de 700 metros até a sede. Você pode ir caminhando, ou um carro da pousada pode buscar. Há comedouros, trilhas fáceis, e trilhas íngremes e difíceis.

Lembrar que essa é uma região sujeita a chuvas constantes e neblina, que às vezes podem durar o final de semana todo.

Site do Parque do Zizo: http://parquedozizo.com.br

São Miguel Arcanjo fica próximo do Parque Estadual de Intervales, famoso pelas cavernas, e também um outro ótimo destino para birdwatchers. Mais informações.

O Parque do Zizo, localizado no município de São Miguel Arcanjo, sudeste de São Paulo, está ligado a um dos maiores remanescentes de Mata Atlântica. São milhares de hectares de floresta contínua, o que aumenta as possibilidades de avistamento de espécies incríveis e raras, incluindo representantes de nossa mastofauna como o muriqui, a anta, a irara (todos estes com certa frequencia de avistamentos), o puma e indícios da onça-pintada, enfim, o Zizo é um mundo de possibilidades, e isto é o que mais me fascina neste lugar. Mas não é tudo.

A história de como foi criado o Parque é um capítulo à parte, e nada melhor que conhecê-la pelo próprio dono do parque do Zizo, Francisco Fogaça Balboni, conhecido como Chico (só lhes adianto que é digna de todas honrarias), sujeito incrível, ex-caçador e agora bravo combatente pela preservação da Mata Atlântica deste país.

No site do parque você consegue um mapa para chegar até o estacionamento (onde qualquer carro chega), daí até a sede só off road ou uma caminhada íngreme de 700 metros, o Chico já estará esperando para dar as boas vindas e levá-lo até a pousada. Da última vez que lá estive dispensei a carona e fui passarinhando até a sede, nessa precária estrada temos ótimas chances de avistamentos, como a maria-leque-do-sudeste, já vi também uma arena de tangarás, momento inesquecível!

Na sede tem-se a incrível sensação de imersão total na mata, não há energia elétrica (o que na minha opinião é uma vantagem neste lugar), nem plantas ou animais exóticos, mas não se preocupe que o banho é quente (aquecimento a gás), já que costuma fazer um friozinho típico de regiões serranas. O clima aliás, na minha opinião, é outro ponto positivo, pois não se faz aquele calor insuportável típico da maior parte de nossas florestas.

A alimentação é mais um ponto positivo, carinhosamente preparada pelas irmãs do Chico no fogão a lenha, é abundante e saborosa. O véu da noite ainda cobre a mata e o café da manhã já está pronto, aves como o falcão-caburé e a juruva-verde nos despertam e nos enchem de esperança para mais um dia repleto de possibilidades.

O Parque tem trilhas diversas, com níveis de dificuldade diversos, mas todas praticáveis. Existe também um belo comedouro, muito bem freqüentado, diga-se de passagem, as fotos não me deixam mentir.

O Octávio Campos Salles, um dos maiores fotógrafos profissionais de aves brasileiras, faz o levantamento das espécies, que já conta com 297 (mar/12), e promove viagens guiadas o ano todo. Uma das maiores satisfações que tive nessas viagens foi registrar uma espécie nova para o Zizo, o azulinho (Cyanoloxia glaucocaerulea), isso sem contar uma grande quantidade de lifers (lifer significa uma espécie de ave que é novidade para a pessoa) e as amizades que podemos fazer com as pessoas especiais que freqüentam este paraíso, o Parque do Zizo.