Sempre leio os relatos das viagens de passarinhada dos amigos aqui do Virtude e, como vocês, estou sempre a procura de lugares que possam proporcionar, além de belas surpresas aladas, belos clicks também. Procurar novas aventuras em buscas das aves é sem dúvida muito bom, mas às vezes a gente não percebe que a diversão pode estar mais perto do que imaginamos.

Andorinha-doméstica-grande (Progne chalybea) Gray-breasted Martin

 

  • Texto e fotos: Daiane R. de Barros
  • Daianebarros 159@hotmail.com

Moro em Vista Alegre do Alto – SP, localizada a 100 km de Barretos e a 380 km da cidade de São Paulo. Hoje meu roteiro especial foi a ida de minha casa até meu trabalho, trajeto que faço todos os dias e, como sempre caminho observando as aves. Levo cerca de 10 minutos pra chegar ao trabalho, (poderia fazê-lo em menos tempo, mas é difícil caminhar rápido olhando pro céu o tempo todo hehehe). Resolvi tentar registrar todas as aves que vejo ou ouço até chegar ao trabalho. Então vamos lá:

Como sempre acordo ao som das corruíras (Troglodites musculus) na janela do meu quarto. Ainda da porta antes de sair sempre ouço o fim-fim (Euphonia chlorotica). Passo no meio de área reflorestada há 3 anos que fica  em frente a minha casa, é comum ver vários sanhaçus-cinzento (Tangara Sayaca)  – esses carinha estão sempre aí  me esperando pra desejar bom dia.

Também vejo sabiás-do-campo (Mimus saturninus) e o ferreirinho-relogio (Todirostrum cinereum) que não consegui fotografar. Durante todo o trajeto vi as graciosas andorinha-pequena-de-casa e a andorinha-doméstica-grande (Pygochelidon cyanoleuca e Progne chalybea) voando, sempre fico um tempo parada observando elas voarem e se alimentarem, acho lindas a agilidade e habilidade de voo delas.

Perto do meu local de trabalho, a prefeitura Municipal, ouvi uma curicaca (Teristicus caudata) que passava voando rápido, foi o tempo de um click, continuo a caminhada.

Em frente à Prefeitura tem uma praça, muito bonita por sinal, onde dá pra observar e ouvir muitas aves. Os psitacídeos (os periquitos e maitacas) sempre tornam a tarde alegre e barulhenta, por conta das palmeira que servem de dormitório e alimento pra eles. Hoje também vi um encontro (Icterus  pyrrhopterus).

Continuando no caminho até minha sala, pude ver ainda o canário-da-terra-verdadeiro (Sicalis flaveola), e claro que não poderiam faltar os pardais (Passer domesticus) e as pombas (Comlumbidae)

Essas foram as espécies que vi até o momento que entrei na minha sala.

Ao longo do dia nas idas às lagoas de tratamentos e rodando a cidade, tive o prazer de observar também alguns pernilongos-de-costa-brancas, jaçanãs, quero-quero, garça-branca-pequena, gavião-carijó.

Isso prova que nem sempre precisamos ir tão longe pra observar aves. A expansão urbana transformou as cidades em um palco de observação, é interessante observar como aves de hábitos florestais se adaptam a esses mosaicos de áreas verdes, jardins e construções. Mais que isso: é interessante o comportamento dessas aves nesses ambientes, isso sem falar o quanto é perceptível as variações de algumas espécies ao longo do ano. Em um dia comum de trabalho pude observar mais de 20 espécies e fotografar 7 delas. Tente reparar mais ao redor no seu cotidiano garanto que terá várias surpresas!