Monte Alegre do Sul faz parte do Circuito das Águas. Fica a 130 km de São Paulo e a 117 km de Piracicaba, próxima da cidade de Amparo da qual já foi distrito. É uma ótima opção, especialmente para quem está em férias com a família em alguma das cidades do Circuito, e quer fazer um passeio diferente.

Corujinha-do-mato (megascops choliba)

 

Texto e fotos: Luciano Monferrari

Mais informações sobre Monte Alegre do Sul, inclusive opções de hospedagem e restaurantes: http://www.montealegredosul.com.br/index.asp

Quem chega a Monte Alegre do Sul, percebe logo o encanto que essa cidade proporciona. A limpeza, a beleza da paisagem natural e urbana e a consciência espontânea da preservação de seu patrimônio cultural, fazem de Monte Alegre do Sul uma cidade fascinante. Seus moradores gostam da cidade e se orgulham de sua história.

Há várias opções de hospedagem. A Pousada da Fazenda (www.pousadadafazenda.com.br) pertence ao amigo Luiz Gonzaga (Zaga), que também é birdwatcher e presidente da Associação Pró Memória de Monte Alegre do Sul. O Zaga foi quem me apresentou a diversidade de aves de Monte Alegre do Sul, mas se precisar de um guia ornitológico, o *Geiser Trivelato guia na região.

Tive o privilégio de conhecer vários locais na cidade com grande potencial para observação e fotografia das aves: as trilhas do Apta, a estrada da Fonte da Índia, o Sítio São Sebastião, a Fazenda Bom Jesus, a própria Pousada da Fazenda e a trilha do bairro do Braizinho.

A cidade já conta com uma lista de mais de 260 espécies registradas, sendo algumas muito especiais, como o taperuçu-velho (cypseloides senex), que todo final de tarde se desloca para seu dormitório, a Cachoeira das Andorinhas, no Bairro do Falcão.

Outra espécie que chamou a atenção foi o gaturamo-rei (Euphonia cyanocephala), espécie que pudemos observar seu ninho, normalmente difícil de ver.

Mas a espécie que mais me encantou foi o murucututu-de-barriga-amarela (Pulsatrix koeniswaldiana), sempre presente na Pousada da fazenda, ora solitária, ora em casal ou até mesmo com filhote.

Murucututu-de-barriga-amarela (Pulsatrix koeniswaldiana) Tawny-browed Owl

Destaque:  murucututu-de-barriga-amarela

A murucututu-de-barriga-amarela é uma ave strigiforme da família strigidae, que é a família das corujas. Mede em torno de 44 cm. Apresenta disco facial castanho, sobrancelhas brancas em torno do bico, dorso castanho escuro e cauda com faixas transversais brancas. Tem um colar largo da mesma cor e o ventre de cor amarelada, dando origem a seu nome popular.

Tem hábitos noturnos, caçando grandes insetos, outras aves que estão dormindo e principalmente roedores e outros mamíferos de pequeno e médio porte.

Faz seu ninho nos ocos das árvores. O macho caça e leva o alimento para as fêmeas e filhotes. Reproduz na primavera e verão, quando a temperatura está mais amena e o alimento mais abundante.

É uma espécie que vive nas florestas úmidas primárias e secundárias e nas suas bordas, aparecendo também nas áreas abertas da floresta. No Brasil, ocorre do sul da Bahia ao Rio Grande do Sul.


Fontes de pesquisa

  • Ornitologia Brasileira – Helmut Sick Ed. Nova Fronteira
  • Site www.wikiaves.com.br
  • Observações pessoais.