• Texto e fotos: Gilberto Müller. Câmera: Canon Powershot SX50
  • Local: Parque Nacional da Lagoa do Peixe, – PNLP – RS
  • Data: 21 a 23 de dezembro de 2013

Tipo: Busca de uma espécie específica – o papa-piri (Tachuris rubigastra). O grupo de observadores era composto de 2 associados do COA de Porto Alegre.

Destaques e quantidade de espécies: Pela beira da praia, vários bandos de trinta-réis-boreal, real, de bando e de coroa-branca, pirus-pirus, pernilongos-de-costas-brancas, gaivotões, garças-moura. Lagoa do Peixe com a barra aberta, e com o nível de água muito baixo. Diversos flamingos-chilenos, cisnes-de-pescoço-preto, maçaricos-de-sobre-branco, na barra. Nos campos, o tachã, carão, caminheiros de espora, maçarico-acanelado, etc. Nos juncais, o papa-piri e o bate-bico, estes dois em Mostardas, fora do PNLP, mas no mesmo ambiente e área.

Nível de dificuldade: baixo. A Lagoa do Peixe dista 250km de Porto Alegre, sendo o acesso por uma estrada de pista simples asfaltada, mas com muitas crateras e desníveis. Eu optei por fazer o pior trecho pela praia (de Palmares a Mostardas), evitando o asfalto, e já observando os bandos presentes.

Infraestrutura do local: O PNLP fica localizado na cidade de Tavares, RS, onde existem algumas opções para fazer refeições, o sinal de celular melhor é o da VIVO, que funciona inclusive na barra da lagoa. Na cidade existem algumas pousadas, simples, mas que oferecem o que é necessário. Mostardas dista 30km de Tavares, e tem um pouco mais de recursos de hospedagem, alimentação e comunicações.

Ambientes para fotografia: Fizemos várias fotos à beira-mar, também na beira das lagoas de água doce como a Lagoa dos Patos, em campos de pastagens, e em juncais e banhados. Apesar de haver alguma mata de restinga na região, não exploramos este ambiente.

Como chegar: Saindo de Porto Alegre, pela RS-040 até Balneário Pinhal, daí tomando a beira-mar, até a barra da lagoa do peixe. Depois voltando até a trilha do Talhamar, seguir em direção à Tavares. De Tavares voltamos até Mostardas pela RST-101 e daí até a RS-040 chegando a Porto Alegre de volta.

Logística: O tráfego nas trilhas e na beira-mar pode ser feito em veículo normal, mas o ideal para não sofrer sustos é um 4×4, que foi a nossa opção.

Custo da viagem: De Porto Alegre, rodamos 600km no total, e o custo da pousada foi de 140 reais por casal/dia.

Conclusão: A viagem foi exitosa, sendo que o principal objetivo – o papa-piri foi registrado, após playback perto dos juncais no porto do barquinho em Mostardas. A resposta foi pronta e imediata. Conseguimos também boa aproximação aos flamingos e outras aves, principalmente devido ao baixo nível da lagoa. Trouxemos uma boa quantidade de fotos das aves que encontramos, facilitados pelo bom tempo e pouco vento.