Para mim, que venho de uma pequena cidade da França e que moro numa grande avenida de Porto Alegre, muito barulhenta, o Jardim Botânico é um lugar de paz e de tranqüilidade, onde eu posso repousar. No coração dele, não dá para ouvir o barulho do trânsito nem da cidade. Só tem o canto dos pássaros, o bater das asas dos insetos, o barulho das folhas das árvores no vento.

 

  • Texto e fotos: Guillaume Reuzé
  • Câmera: Nikon D3100 e lente 55-300

Como seu nome o indica, o Jardim Botânico de Porto Alegre é uma área constituída por coleções de plantas vivas cientificamente reconhecidas, organizadas, documentadas e identificadas. É uma área protegida de 39 hectares. Ele foi aberto ao público em 1958. A entrada é paga, mas tem uma tarifa especial para estudantes e o porteiro não costuma pedir a carteirinha. O preço é bem barato para aproveitar do que tem nele e o valor arrecadado com as entradas ajuda a conservação do parque.

Para mim, que venho de uma pequena cidade da França e que moro numa grande avenida de Porto Alegre, muito barulhenta, o Jardim Botânico é um lugar de paz e de tranqüilidade, onde eu posso repousar. No coração dele, não dá para ouvir o barulho do trânsito nem da cidade. Só tem o canto dos pássaros, o bater das asas dos insetos, o barulho das folhas das árvores no vento.

Além dos meus ouvidos, meu olhar também fica feliz. Os animais, que entenderam que esse lugar significa abrigo, têm colonizado o jardim, particularmente os dois lagos. Tem uma grande variedade de libélulas, de borboletas, de aves (bem-te-vi, joão-de-barro, beija-flores, Martins-pescadores, pica-paus, cambacica, caturritas e outros que ainda não conheço os nomes). Também tem frangos-d´água, um raro casal de cisnes-pretos e um monte de tartarugas-da-flórida e cágados-de-barbicha e, claro, peixes. A cor verde domina o lugar com todas essas várias plantas que são identificadas por pequenas placas. É lá que eu vi o Pau-Brasil pela primeira vez, a árvore símbolo do Brasil.

O jardim é pouco frequentado, o que dá a ele todo o seu charme. As pessoas que a gente encontra estão descontraídas e abertas à conversa. Elas vão lá para descansar, tomando um chimarrão ou lendo um livro.

Para quem gosta de tirar fotos o jardim é um lugar perfeito. Tem possibilidade de fazer macrofotografia de insetos ou de flores, vocês podem tentar imortalizar um beija-flor voando e comendo ou podem jogar com a luz do sol através dos galhos. Há muitos temas no jardim para testar as funções de suas câmeras. O jardim é romântico para quem busca um lugar para namorar. Ele é poético para quem busca inspiração.

Espero que o jardim botânico nunca seja invadido pela multidão, como os outros parques de Porto Alegre, ele perderia então o seu charme.