Em Itu – SP, na Fazenda do Chocolate: flores maravilhosas, enfeitadas por saís-azuis, fim-fins, gaturamos-verdadeiros, sanhaçus, saíras-amarelas, beija-flores. A árvore deve ficar florida mais umas duas semanas no máximo. No Parque do Lago, em Salto, diversão com jaçanãs e irerês.

 

 

Flores maravilhosas

Descobri o nome da árvore graças ao Ari Lopes da Rosa: paineira-vermelha-da-índia (Bombax ceiba). Dizem que é parente da nossa paineira (o tronco é parecido, espinhudo), e que pode chegar a 30m. As que eu vi eram pequenas ainda, menos de 6m. Obrigada Ari!

As flores são tão lindas que dava vontade de morder. Se não bastassem as flores, saltitavam um bandinho de saí-azul, fim-fim, gaturamo-verdadeiro, uma saíra-amarela macho, sanhaçus-do-coqueiro, sanhaçus-cinzentos, um tiê-preto macho, alguns beija-flores: o beija-flor-preto (antigo beija-flor-preto-e-branco), o beija-flor-de-papo-branco, o tesoura, um amazilia que ainda não sei qual é. Adoramos as fotos, porque só as flores já seriam fotos interessantes, compondo com as aves, viraram candidatas a novos posters no apartamento.

Não que tenha sido facílimo. Havia duas árvores. Sol, que logo virou uma luz dura. A árvore mais florida ficava no aberto e na passagem de pessoas, as aves estavam preferindo a outra árvore, mais alta, e só era possível fotografar de baixo, com ângulos bem difíceis para o tripé. O Cris logo desistiu (tem hérnia cervical, não pode ficar olhando pra cima), eu tirei a câmera do tripé e consegui fotografar, mas com muitas fotos tremidas.

Horas fotografando. As aves iam e vinham, e raramente pousavam no lugar certo, com a luz certa, por segundos o suficiente. Dor no pescoço até agora, mas uma incrível satisfação.

Onde: no estacionamento dos motoqueiros da Fazenda do Chocolate, em Itu – SP. Esse atrativo fica  a poucos quilômetros do início (ou final, depende da sua referência) da Estrada Parque, também conhecida como Estrada dos Romeiros. Parece que abre todos os dias, a partir das 8h30, mas é melhor ligar para confirmar. Evite o domingo a partir das 11h e no período da tarde, fica incrivelmente lotado. Imagino que as flores maravilhosas devem durar no máximo até final de agosto. Fora a árvore incrível, para ver as aves deve depender da sorte.

http://www.fazendadochocolate.com.br/fazendadochocolate/Bem-vindos.html

Obrigada ao Vinicius Bego e ao Flavio Garcia pelas dicas de locais!

 

No lago, sol da tarde na contraluz dando um toque especial às jaçanãs e irerês

Um parque não muito grande, mas com um lago com mato, aguapés, moitas bem promissor. Sentamos perto do quiosque, mas ficamos na grama, sob o sol, para ficar mais perto das aves. Depois de um tempo bem quietinhos, elas se acostumaram com a gente e voltaram a se aproximar da margem.

Show das jaçanãs em voos, brigas, e até acasalando. Sou contra fotos de aves copulando, porque geralmente não há nada especial na foto, exceto o fato de uma ave estar em cima da outra, e as posições são sempre as mesmas (se pelo menos elas praticassem o Kama Sutra). Mas nesse caso mudei de ideia e fotografei, porque a contraluz nas asas da jaçanã estava linda, as garras são monstruosas, era bonito o exercício acrobático para elas conseguirem se equilibrar, o cenário estava bonito.

As irerês também deram um bom show tomando banho, mas estavam longe demais, tirei duas fotos e desisti. O Cris, com 36MP e 600mm ainda conseguiu algumas imagens.

 

Como surgiu o passeio, hotéis e restaurantes

Havia a opção de irmos para Campos do Jordão. Mas ando encantada com a ideia de poder fotografar bastante, o tempo todo, como é possível em áreas com aves aquáticas. Por isso fui pesquisar algum lago ou brejinho não muito longe de São Paulo, e encontrei as fotos feitas em Salto – SP, especialmente no Parque do Lago.

Entrei em contato com o Vinicius Bego e o Luiz Gentile, moradores de Salto. O Vinicius Bego respondeu, muito atencioso, deu a fica da Fazenda do Chocolate, e me pos em contato com o Flavio Garcia, também muito gentil. Pedi indicação de hotel e restaurantes, o hotel indicado em Salto é o Porto Seguro, mas acabamos indo dormir em Indaiatuba, porque o Vinicius disse que lá as opções de restaurantes eram melhores (não queria jantar, beber, e termos que dirigir 20  minutos de volta a Salto).  Escolhi um francês, o Le Triskell, ótimo, mas com preços de São Paulo. Dormimos no Vitória Hotel. Indaiatuba tem um Parque Ecológico, um antigo aterro, mas parece não ter muitas aves nesse parque. O almoço do sábado foi em Itu, no Bar do Alemão, muito bom também, mas com risco de lotar se você chega depois das 13h30.