Instituto Butantan inaugura o primeiro observatório de aves no Brasil! Que o sucesso das saídas mensais incentive outros parques a promoverem o birdwatching

  • Texto e fotos: Claudia Komesu
  • Passeio na companhia inicial das amigonas Juliana Diniz e Martha Argel. Depois nos juntamos a um grupão de 60 pessoas, lideradas por Luciano Lima e Luccas Longo
  • Lista das aves observadas no II #vempassarinhar, ocorrido no dia 29/06/14: http://www.taxeus.com.br/lista/3168. Talvez o primeiro não tenha lista

O que é o vempassarinhar?

O #vempassarinhar é o passeio mensal do Observatório de Aves do Instituto Butantan, o primeiro observatório de aves do Brasil, que tem como objetivo estudar as aves e promover a educação ambiental.

Para se manter a par da programação: facebook.com/observatorideavesibu

Para saber mais sobre o Observatório do Butantan: http://virtude-ag.com/observatorio-de-aves-butantan-jul14-luciano-lima/

Fui no I #vempassarinhar, no dia 1/jun/2014, com as amigas Juliana Diniz e Martha Argel. Não estávamos inscritas – e nem conseguiríamos: o evento foi divulgado no Avistar e nas redes sociais, tinha 60 vagas, mas atraiu o interesse de 160 pessoas, ficou uma fila de espera de 100. Sábado houve a parte teórica da observação de aves, 4h de atividade, e no domingo seria a saída de campo. Combinamos de ir no domingo, para dar uma força ao evento. Ainda não sabíamos que o Luccas Longo e o Luciano Lima não precisavam de força nenhuma, que já tinha bombado.

O domingo amanheceu nublado e garoando. Eu, Ju e Martha nos encontramos no Botânico, passarinhamos um pouco, topamos com uma mariquita bem baixa, arredio-pálido, periquito-rico, sabiás, pica-pau-de-cabeça-amarela. Eram umas 7h30, havia uma boa movimentação de aves, mas achamos melhor tentar encontrar o grupo. Os seguranças do Butantan nos ajudaram a achar o grupo, que estava numa trilha restrita.

Domingo cedo, chuviscando. Quando é que a gente ia imaginar tanta gente numa trilha? O pessoal já estava voltando, e não parava de surgir gente da curva. Umas 60 pessoas, todas com cara sorridente, felizes pelo contato com a natureza e por começar a conhecer o maravilhoso mundo das aves. Famílias, crianças. Foi emocionante ver tanta gente disposta a acordar cedo e enfrentar dia nublado, é o tipo de coisa que renova nossa fé no potencial do birdwatching no Brasil.

Na trilha mesmo vimos poucas aves. Em parte porque um grupo de 60 pessoas já tinha passado por lá, em parte porque já tínhamos saído do foco passarinheiro, estávamos mais papeando com as pessoas.

Fomos para o Horto (dentro mesmo do Botânico). Lá estava sendo serviço um café, e enquanto o pessoal comia bolo, nós aproveitamos as borboletas. Outra alegria: de repente olhar em volta e ver um monte de gente fotografando borboleta, até falei para um dos colegas “que legal ver tanta gente prestando atenção nas belezas da natureza, e não apenas fissurado em lifer”.

Logo depois o grupo dispersou, eu e a Ju ainda fomos dar uma voltinha no Museu Biológico, onde ficam as cobras em locais como se fossem aquários grandões decorados com o ambiente nativo delas. Vários deles precisariam ter uma manutenção, mas as cobras são lindas sempre.

Caminhando pelo Butantan a sensação é de que há um bom potencial passarinheiro. Boa mata, áreas abertas, abre cedo. Nenhum segurança nos abordou, e dá para imaginar que é improvável ter incidentes. Com essas atividades mensais, logo todos os seguranças vão se acostumar a ver gente com binóculo e câmera.

Alguns prédios estão com pintura descascada, é uma pena, porque são muito bonitos. Sabemos que todos os parques brasileiros sofrem com corte de orçamento, tomara que essa atividade no Butantan ajude a valorizar o parque e que logo eles recebam aumento de verba, não tanto por causa de pintura descascada em prédio, mas principalmente para levar adiante essa iniciativa tão bacana, que é a de criar um observatório de aves.

 

Para passarinhar no Butantan

Instituto Butantan: Av. Vital Brasil, 1.500. É fácil de chegar, o Waze sabe onde fica. Abre às 7h. Gratuito, seguro, tranquilo, você entra com o carro, estaciona e já começa a passarinhar. Tem lanchonete no local (não tenho certeza se a lanchonete abre durante a semana, no domingo estava aberta).

O parque do Instituto Butantan conta com 60 hectares de áreas verdes e com uma lista de aves que já ultrapassa as 110 espécies, mas que cresce a cada dia. Encontra-se aberto ao público diariamente, das 7h às 17h, com entrada gratuita. Para visitar os três museus (Museu Biológico, Museu de Microbiologia e Museu Histórico), o visitante paga R$ 6,00.

Observadores de aves são bem-vindos nas áreas do Parque atualmente abertas à visitação, e podem observar e fotografar sem precisar de autorização prévia.