No mundo dos observadores de aves existem alguns destinos que precisam estar devidamente carimbados em nossos passaportes-birding. De vez em quando aparecem novos locais e todos correm para ver as novidades do lugar. Depois é só divulgar as fotos e relatos para despertar vontades em outros observadores até que o próximo ponto surja em nossos desejos de viajantes passarinheiros.

Há alguns dias tive o privilégio de conhecer dois destes locais, acompanhando os amigos Silvia Linhares e Gustavo Pinto. E é só falar em Gustavo para que os observadores de aves já descubram onde estive: Americana/SP, em busca das belíssimas mocho-dos-banhados e coruja-orelhuda.

E para quem pensa que nos embrenhamos na mata noturna atrás destas aves, a surpresa: as corujas foram todas observadas dentro da área urbana da cidade! Isso porque com o crescimento dos bairros, estes estão aos poucos espalhando a cidade sobre as antigas fazendas da região, ocupando o espaço que era território de diversas espécies. Nenhuma novidade, uma vez que vemos isso o tempo todo. Porém e interessante observar como as mochos-do-banhado estão co-habitando com os moradores do novo loteamento, caçando nos poucos terrenos ainda vagos.

E foi assim, caminhando no asfalto das ruas que vimos cerca de 20 espécies de aves, destacando-se claro a mocho-dos-banhados, gavião-peneira e a coruja-orelhuda, esta sim fotografada apenas no começo da noite. Tão tranquila que ficou um tempão posando para as câmeras dos fotógrafos que nem saíram do carro.

Não posso deixar de citar o belo trabalho feito por Gustavo com os moradores do bairro, informando sobre a história natural dessas corujas e a importância de sua conservação.

Na manhã seguinte partimos antes do sol nascer em direção ao bairro Tanquã, em Piracicaba, para conhecer um trecho fantástico do rio de mesmo nome, chamado de “Pantanal do Piracicaba”. Trata-se de uma área de calmaria onde o leito alarga-se e possibilita a fixação de inúmeras plantas aquáticas, criando um ambiente perfeito para espécies paludícolas.
Amanhecendo no rio Piracicaba…

E a diversidade é tanta que só nesta manhã, sem grande esforço de busca uma vez que nosso foco eram ralídeos, vimos mais de sessenta espécies, entre elas dois lifers na minha lista pessoal: sanã-amarela e marrecão.
Entre os vários ralídeos observados, destaque para a sanã-amarela (Porzana albiventer),…

A beleza desse lugar, sua diversidade e riqueza de espécies nos traz a sensação óbvia de que deve ser preservado indefinidamente, mas infelizmente o Tanquã está condenado a desaparecer, cedendo espaço para uma represa em obras futuras na Bacia do Rio Piracicaba. Diversas ações estão sendo feitas para tentar evitar essa tragédia ambiental, entre elas um dia de passarinhada promovido por várias associações de observação de aves e simpatizantes da causa.

Foi delicioso matar um pouco de saudades do Pantanal dentro de São Paulo, agora é agir para que este espetáculo se perpetue para que muitos observadores da vida silvestre tenham o mesmo privilégio que eu tive.