Lindamente criado e executado pelo Alessandro Abdala a partir de um briefing em que eu já sonhava um V como asa, proximidade com a ideia de motos, o cor de laranja, liberdade, juventude.

 

A Virtude começou sem elementos de identidade visual fora ângulos retos, tendência clean e escolha de algumas cores. Tenho duas amigas que são ótimas designers, mas elas têm vivido enormes correrias paulistanas, não queria pedir e piorar a vida delas.

Uma das primeiras pessoas a responder meu convite para participar da Virtude foi o Alessandro Abdala, com quem eu já havia trocado alguns e-mails bastante tempo atrás, mas que não conheço pessoalmente. O Alessandro se prontificou a ajudar, mandou material sobre Sacramento e a Serra da Canastra, com fotos maravilhosas. O Alessandro é guia ornitológico em Sacramento, fotógrafo profissional e designer. Pelo site e pela seleção de imagens já dava para perceber a veia artística do rapaz. Ele fez uma sugestão que melhorou bastante o visual da Virtude: tirar os breadcrumbs e colocar títulos maiores e mais explicativos, para ficar mais fácil de entender em que seção a pessoa está. Comecei a fazer isso nos posts mais recentes, faltam os mais antigos.

O Alessandro comentou que o site da Virtude estava sem elementos de identidade. Eu, com minha infinita cara-de-pau, perguntei se ele gostaria de fazer uma proposta de logo. Passei algumas orientações simplórias, e na segunda rodada já apareceu esse logo maravilhoso, tão bonito que me deu comoveu. Não espero que as outras pessoas tenham essa reação, é coisa de quem está muito envolvida no projeto e vê uma concretização gráfica perfeita.

O Alessandro fez o logo voluntariamente, como uma grande contribuição à ideia de que a Virtude pode divulgar birdwatching e ajudar na preservação da natureza. A elaboração de um bom logotipo é um trabalho caro e especializado, desses em que eu teria que escolher deixar de comprar um equipamento, ou de fazer uma viagem, por isso estava com um site sem logotipo. Estou em dívida com o Alessandro.

Se você está procurando um designer para contratar para uma tarefa, digo que o trabalho do Alessandro fala por si, além da rapidez com que executou: enviei um briefing simplório sobre o logo, dois dias depois ele me mandou mais de 15 sugestões, escolhi uma, fiz alguns comentários sobre o que poderia ser diferente, no dia seguinte ele já enviou o que considerei a proposta final.

Ele foi muito rápido para executar, mas esse não deve ser o prazo padrão esperado. Tive a sorte de pegar um período em que ele não estava executando outros trabalhos e, o privilégio de ser um tema em que ele tinha um interesse especial. Sei que foram muitas e muitas horas de trabalho dedicado, criando desenhos, testando tipos de letra, cores, alinhamentos. Muito obrigada, Alessandro!

“Cheguei a fazer alguns rabiscos em papel, mas perdi. Não era nada muito útil. Brincadeiras com a palavra virtude, tendo a letra V meio estilizada como uma asa, em um estilo mais para o alemão com linhas retas. Os primeiros testes foram com cinza-chumbo e azul-claro, mas me pareceu que vou precisar do marrom como cor importante. O cinza fica muito impessoal e frio, o site fica parecendo corporativo.

Marrom com o quê? Eu gosto de marrom e azul, usei durante um bom tempo no photorats. Pra mim é terra e céu. Mas, o problema é a palavra virtude. Talvez não fosse bom ela estar associada a céu, para não cair tanto para o lado religioso. Por isso tinha pensado no laranja, que é uma cor de energia. Laranja e marrom. Uma cor escura e o laranja, como a Harley-Davidson.

Acho que as cores e o visual precisam estar associados à modernidade, juventude, até irreverência. Acho que o aspecto quadrado e regular do resto do site dá o equilíbrio.

Não achei nenhum logo que pensei “é algo assim”, mas fico olhando para os logos de clubes de motoqueiros. A maioria é rebuscada, feia, mas compartilhamos algumas coisas. Vários usam a ideia de asas, têm cores fortes, geralmente o preto, preto e branco, preto e laranja, preto e amarelo. Os associados usam com orgulho.

Não sei se é bobagem pensar nessa mistura, mas acho que se fugirmos do visual verde, zen, paz, e cairmos um pouco para ativo, contestador, jovem, rock seria algo bom para a marca.”

“Não sei se é só meu lado cabeça-dura, mas achei que o caminho seria trabalhar com o V como asas, mas só asa do lado direito. O V centralizado atrapalha um pouco a leitura, e acho que o V com uma asa só também fica mais arrojado.

Acho que o caminho seria o terceiro logo da coluna da direita, com essas observações:
– tentar uma versão para ter o -AG no nome, mesmo que seja em tamanho menor ou menos destacado do que a palavra Virtude (depois mudei de ideia, e falei para esquecer do AG)
– fazer um teste com o estilo das penas das asas mais geométrico e menos figurativo
– um tipo de letra para o birdwatching e natureza que seja mais fácil de ler. Mas quando o logo for usado bem pequeno, a gente não coloca a assinatura
– você acha que birdwatching e natureza é uma boa assinatura? Achei que ficava mais didático do que o atitude e asas. (ele disse que achava que o birdwatching e natureza estava bom)
– um teste em como seriam as cores no fundo escuro. Pode fazer sugestão de cores, não precisa ser só o laranja.

Se eu estivesse sem prazo, aprovaria esse logo com a asa à direita com poucas modificações. Mas já que a gente tem prazo, vamos pensar mais um pouco, desde que não te atravanque a vida.”

A partir desses comentários, o Alessandro enviou a segunda rodada de propostas. Gostei de todas as aplicações, e provavelmente as versões PB serão usadas em algum momento.

Virtude é a prática do bem. Passei algumas semanas pensando em um nome, e a inspiração veio quando decidi que agir para ajudar a natureza seria a ideia central do projeto.

AG é sigla de agência. Inicialmente o nome seria apenas virtude.com, mas esse domínio tem dono, não está sendo usado, e pode ser comprado pela bagatela de US$ 11 mil.

A empresa que é dona do domínio (dessas que compraram um monte há bastante tempo, e agora vendem caro) tentou negociar comigo, insistiu, e eu expliquei que era para um trabalho sem fins lucrativos, e que se fossem US$ 5 mil seria caro, se fosse US$ 1 mil seria caro, se fosse US$ 500 ainda seria caro, e então eles desistiram de falar comigo.

Sei que o certo era ter um padrão, mas eu mesma uso das duas formas. Às vezes como o projeto, às vezes como a palavra substantivo feminino.