Com um pouco de inglês e uma boa dose de dedicação é possível ter um site como a Virtude-ag pagando algo como R$ 245 no primeiro ano, R$ 170 nos outros (R$ 155 / ano pelo servidor, R$ 15 / ano por um domínio, mais R$ 75 por um template que tem várias ferramentas) Essa é a parte fácil. Para ter um bom site você precisa ter clareza dos seus objetivos e construir o conteúdo com capricho, em um visual bonito, padronizado e fácil de navegar.

 

Não sei se você tem alguma dúvida sobre isso, mas hoje a internet é a mais importante ferramenta de pesquisa no mundo.

As pessoas usam a internet e tenha certeza de que o seu site é uma primeira impressão sobre quem você é. Antiquado? Sem revisão? Confuso? Poluído? Brega? Amador? Displicente? Cansativo? Sem sal? As pessoas pensam-sentem muitas coisas a um primeiro olhar numa tela, e se ela não estiver fazendo uma busca muito específica, esse primeiro olhar é como a capa de livro, em que você tem uma fração de segundos para fisgar a pessoa.

É claro que um bom site custa caro. Dezenas de milhares de reais, às vezes muito mais, principalmente se você quer um gerenciador de conteúdo. As agências sabem o valor que há em um site, e fora isso realmente dá trabalho montar algo bem estruturado, funcional, bonito, rápido e, para alguns tipos de site, seguro.

Para a nossa sorte ter um site bonito e barato, que você mesmo pode atualizar o conteúdo, é algo tão desejado por tantos milhões de pessoas que surgiu um mercado para isso. Softwares que permitem que um leigo em programação construa um site, o mais famoso deles sem dúvida é o WordPress.

Sempre soube que o WordPress era a melhor ferramenta. Mas havia um custo de entrada, de aprendizado de instalação em FTP, algumas pequenas ou profundas coisinhas de programação, menus complexos, fora a chatice de ser algo popular entre os nerds, que nunca se preocuparam e nem queriam mastigar as explicações para bocós como eu.

Por isso durante alguns anos fiquei com o Webs.com, muito mais limitado, mas muito mais fácil, e quando cansei do visual antiquado do Webs no ano passado tentei usar o Wix (e testei um monte de outros serviços), mas eles só suportavam conteúdo leve, com vários aspectos irritantes do Flash.

No fim de 2011 tomei coragem e decidi tentar o WP.

 

Como instalar o WordPress

O WordPress tem um serviço para os menos corajosos, que não exige a tal história de instalação no FTP. WordPress.com. Serviço gratuito enquanto você ocupar 3GB, opção de assinar serviços premium. Há muitos templates bonitos e ferramentas, mas nunca terá a mesma liberdade da opção mais famosa, que é você comprar espaço em um provedor (ou experimentar um desses gratuitos, eu não quis), instalar o software gratuito do WordPress, e colocar o template que você quiser.

Eu não sei instalar o WordPress. O que eu fiz foi assinar um provedor que muitas resenhas diziam ser o mais confiável, o Hostgator, que tinha uma ferramenta “Instale o WordPress em 3 cliques”, ou algo assim. Exige que você tenha um domínio próprio (domínio é o seu endereço, como virtude-ag.com. O meu eu comprei no uol.host.com.br), e na primeira tentativa eu fiz a bobagem de usar o domínio sem tirar do Wix, o que causou uma certa confusão. Mas entrei em contato com o suporte online do Hostgator, e eles resolveram online. Você espera algumas horas, e logo seu site está no ar.

 

A escolha do template

Há vários templates gratuitos muito bonitos, e eu analisei dezenas deles, mas todos tinham diversas limitações, principalmente no uso do slideshow, layout da página e, aparentemente, na montagem das galerias. Os que tinham slideshow só permitiam usar em uma página, ou repetir o mesmo slideshow em várias páginas, algo inúntil. Eu queria montar um site em que imagens impactantes e dispostas de uma forma agradável seriam algo fundamental, por isso fui procurar temas pagos. Acabei caindo no Theme Forest

http://themeforest.net/popular_item/by_category?category=wordpress

e olhei bastante estes temas

http://themeforest.net/popular_item/by_category?category=wordpress

http://themeforest.net/item/reaction-wp-responsive-rugged-bold/702169

http://themeforest.net/item/scope-agency-business-wordpress-theme/952938

http://themeforest.net/item/udesign-wordpress-theme/253220

Acabei me decidindo pelo Striking

http://themeforest.net/item/striking-premium-corporate-portfolio-wp-theme/128763

Em dezembro de 2011 ele era o tema mais vendido, com mais de 8 mil compradores. Tinha um fórum (em inglês) movimentado, e lançava diversos upgrades do tema. Todos os temas que vi eram bonitos e tinham várias funcionalidades que os temas gratuitos não oferecem, mas escolhi o Striking principalmente por julgá-lo economicamente forte, capaz de corrigir erros, disputar liderança com melhorias.

 

Muitas pessoas acham uma bobagem comprar um template, principalmente quem entende de programação. Eu não entendo nada, por isso preferi comprar um template com várias ferramentas prontas, que talvez eu pudesse obter também instalando plugins. quebrando a cabeça e tendo que aprender um pouco de programação. Mas por US$ 40, com certeza valia a pena comprar.

 

Como é mexer no WordPress com um template cheio de recursos

Não sabia nada do WordPress, a ponto de nem saber como fazer um post. E infelizmente a documentação do Striking é superficial, feita por alguém que imagina um usuário mais para o esperto do que alguém como eu. Mas depois de três dias debruçada, fazendo testes e lendo um pouco do fórum, consegui começar a construir minhas páginas.

Depois que você pega um pouco o jeito fica bastante intuitivo. Não estou dizendo que foi super fácil. Passei várias horas pesquisando, testando, me sentindo frustrada, mas quando as coisas começam a funcionar e você pensa “será que dá para fazer tal coisa?” e descobre que dá, é uma alegria.

Você pode ter um ou mais slideshows em qualquer página (mas é um recurso que deixa a página pesada, nem testei colocar mais de um), em qualquer tamanho. Pode ter aquela coluna de menu ou tópicos à direita ou à esquerda, ou não ter, e pode configurar que elementos você quer que apareçam nessa coluna. Pode ter qualquer cor. Tem galerias com diversos números de colunas, pode configurar vários números e larguras de coluna para a página.

Uma das coisas legais desse tema, que amarra-o um pouco mas é o correto, é que você não pode ter um monte de tipos e tamanhos de letra (a não ser que use o tal Cufon, mas que deixa o site lento). Você não tem um botão para dizer o tamanho da letra, você tem estilos prontos, como o recurso de estilos do Word, e há uma tela em que você configura o tamanho dos blocos de texto, do Heading 1, Heading 2, etc. Isso mantém o padrão.

Esse template também tem shortcodes, que é como se fosse uma programação bem simplificada, mas que permitem você ter recursos como os menus retráteis da página Destinos, ou eu poderia ter uma foto na barra lateral com uma chamada, como se fosse uma propaganda.

Exemplos da tela do WordPress, com o template Striking instalado:

 

Como construir seu site

Pode olhar as ferramentas à vontade e fazer vários testes até sentir que você entendeu o uso das principais ferramentas. Mas por favor, não comece a construir o site de verdade sem ter feito um bom planejamento, é como construir uma casa sem ter a planta.

O planejamento não é um bicho de sete cabeças, mas você precisa reconhecer que ele é uma etapa importante em qualquer trabalho.

Se você vai trabalhar com outras pessoas, talvez lhe interesse ler minhas considerações sobre trabalho em equipe.

 

Faça um briefing

Qual o objetivo do seu site?

Quem é seu público, com quem você quer falar?

Que impressões você quer passar?

Que impressões você não quer passar?

Como será a atualização dos dados? Frequência, responsável

O que você vai fazer para divulgar seu site

Quem vai produzir o conteúdo?

 

Pense na estrutura do site

Gaste bastante tempo nisso, é importante. Imaginando os nomes dos menus, o agrupamento de informações, a ligação entre as áreas, o que merece ter destaque, o que entra como subtópico. Depois de estudar o site do Rockjumperbirding, me esforcei para tentar montar um site que não tenha a aparência de ter conteúdo demais, apesar de ter muito.

Se o seu conteúdo é complexo, como a Virtude, deixe para decidir a home no final. Dependendo do que você conseguiu de conteúdo você cria as chamadas na home.

 

Trace um cronograma, mesmo que depois você altere

Por exemplo, a Virtude-AG tem uma data de lançamento prevista para meados de março, acho que consigo.

Não subestime os prazos, imagine imprevistos, correrias no trabalho, se depender do trabalho voluntário de outras pessoas, dê um prazo maior ainda, mas não deixe de fazer acompanhamento.

 

Pesquise o que já existe, aprenda com os acertos e os erros dos outros

Eu vi boas soluções em um site estrangeiro, e vi mais um monte de sites, alguns de empresas grandes, com vários erros.

 

Prepare seu conteúdo – texto

Não precisa ter tudo pronto, mas consiga pelo menos uma parte dele porque ajuda a sentir como ficará nas páginas. O inverso também é verdadeiro: olhando o formato das páginas, te ajuda a pensar nas quebras do texto, as ligações que deve haver entre as seções, o que deve ficar na mesma página e o que deve entrar como link para um aprofundamento.

De forma geral aberturas precisam ser breves. Quando você se aprofunda em um assunto escreva sem receio, supondo uma pessoa realmente interessada no tópico.

Revise os textos, busque os erros de digitação, tente cortar repetições ou aquilo que parecer desnecessário.

 

Prepare seu conteúdo – imagens

As imagens são ferramentas poderosas e no mundo das aves o que não falta são fotos chamativas. Escolha. Recorte as que ficarão juntas todas no mesmo tamanho (eu sempre uso a proporção 2×3 ou no máximo quadrados, não faço recorte livre). Trate-as para diminuir o máximo possível o tamanho delas sem perder a qualidade. O Photoshop tem uma opção de salvar para a internet, no ACDSee, o software que eu uso, eu exporto com a opção de qualidade do jpg para 85 em vez de 90, resolução 90 pixels/inch, excluir metadata ou informações da base de dados. Cada foto de um trip report (com 700×467 pixels) fica com uns 50 a 140 kb dependendo do cenário.

 

Seja organizado

Nomeie seus arquivos de uma forma padronizada, que faça sentido para a estrutura do site, e que seja fácil achar se você der uma busca.

 

Conclusão

O domínio técnico de uma ferramenta é importante, mas não é mais importante. É melhor ter um site limitado em recursos, mas bem montado e agradável, do que um cheio de pirotecnias  onde a pessoa se sente perdida.

Não é fácil ser simples e elegante.Tudo que parece simples e funcional geralmente demandou muitas horas de burilamento. Com o seu site é a mesma coisa: se você reconhece que ele é uma das suas principais ferramentas de divulgação, coloque-o nesse patamar de importância e invista tempo nele.

Lembre-se também que um bom resultado final depende da atenção a cada detalhe. Recorte as fotos sempre no mesmo tamanho, busque alinhamento e padronização, revise textos, escreva introduções, tente se imaginar no lugar do visitante do seu site e busque formas de interessá-lo e facilitar a navegação dele.