Inesquecível! Talvez seja a única forma de descrever a viagem da Ecoavis para a Serra do Cipó – MG. Poxa vida, só o fato de conseguir 12 lifers já é suficiente para muita alegria. Some a isso uma turma excelente, paisagens magníficas, bons papos e histórias difíceis de esquecer. Uma delas conto agora.

A. luizae 01

Lenheiro-da-serra-do-cipó (Asthenes luizae), espécie endêmica dos campos rupestres e ameaçada de extinção.

 

Desde do início da expedição um dos objetivos era um dos endemismos da região, o famoso lenheiro-da-serra-do-cipó, ou simplesmente joão-cipó. Animal que só ocorre naquele local e é sempre bem complicado de se observar. Caramba, bota complicado nisso.

Após uma investida no primeiro dia e desistência de muitos, no segundo dia todo mundo praticamente desistiu de ver o bicho. Os mais “tarados”, cerca de 5 pessoas foram a um dos locais de ocorrência 12h30 da manhã. Todos concordavam que era praticamente impossível avistar a espécie naquele momento. Todos subimos o morro, pedras, escorregões e ouvimos o bicho na montanha de frente para a que estávamos. Putz, a gente não acreditou. Insistimos com o playback mas ele só respondia de longe.

Eu iniciei uma corrente para darmos a volta e ir até ele. Todos aceitaram e lá fomos. Pelo caminho foi ficando gente, ficando gente, quando percebemos só estávamos eu e o amigo Gustavo Pedersoli. Insistimos, muito!. Depois de cerca de duas horas naquela luta o bicho vocalizou perto da gente, morro abaixo. Fui descendo enquanto o Gustavo lá de cima tentava ainda os chamados. Quando subi uma pedra, já na última investida, eis que vejo o bicho saltando sobre as pedras. Meus caros e minhas caras, pensa em um cidadão se jogando em cima do capim alto e praticamente usando o morro como tobogã. Esse era eu rolando morro baixo para chegar no bicho. O coração tava na boca quando cheguei lá embaixo, peguei o binóculos, confirmei e só ergui os braços comemorando. Quando olho para trás o Pedersoli rolando da mesma forma que eu, morro abaixo.

Quando ele chegou, ambos levantamos a câmera, colocamos o playback e o bicho apareceu no melhos dos “poleiros” que as pedras do Cipó poderiam nos dar. Ai foi fazer barba, cabelo e bigode.

Sei que com certeza foi um dos momentos mais incríveis que tive desde que decidi que iria ser observador de aves. Se não fosse tão difícil, não seria tão legal!

Falando do bicho, além de endêmico é muito ameaçado. Redução de hábitat e parasitismo por vira-bosta são as principais ameaças.

Forrageia na vegetação arbustiva ou em lajedos rochosos. Procuram insetos em fendas nas rochas ou sobre elas.

Para vê-lo, só vindo até a Serra do Cipó e subir e descer muito morro!

 

Mais uma proposta do Lado B: compartilhe momentos mágicos

Todo mundo que passarinha tem momentos mágicos. A aparição de uma ave rara, alguns segundos ou minutos podendo observar bem de perto alguma ave ou outro animal, uma luz muito especial, o olhar do bicho, e mesmo fotos ruins, mas que o autor sabe do valor.

O Momento Mágico não é uma foto espetacular: é um momento espetacular que você viveu, tenha conseguido foto boa ou não, talvez estivesse até sem câmera.

Basta escrever um texto e, se tiver uma foto, seja do momento ou de algo que represente seus sentimentos, envie junto para claudia.komesu@gmail.com. Fotos em 960×640 pixels, pelo menos uma na horizontal para ser capa do post. O texto não precisa ser muito longo, mas tente expressar o que você sentiu e pensou, afinal, o objetivo desta seção é valorizar o que vivemos, compartilhar e reviver alegrias.

Além do texto, diga data e local do momento mágico.

O Momento Mágico é uma seção permanente do Lado B. Você pode participar mesmo que seja seu primeiro post para a Virtude-AG. O material não precisa ser inédito nem exclusivo.