“Lato sensu”, toda vez que miro o céu ou alguma árvore com a esperança de achar alguma ave interessante, vivo um momento mágico.

Sou um apaixonado pela observação de aves e a paixão por si só é algo mágico: não tem explicação, razão, motivo ou circunstância. Como num passe de mágica, simplesmente acontece.

Mas é claro que alguns momentos se tornam mais mágicos quando a gente, por exemplo, realiza um sonho de infância. São anos sonhando com aquele momento, então a concretização é indescritível, inenarrável, um momento mágico!

MM_caboclo_Joao_Sergio_Barros

 

  • Texto e fotos: João Sérgio Barros. Vários locais, várias datas.

A vida me premiou com vários destes momentos, vamos dizer assim, “mais mágicos”.

Como bom “acipitrófilo” que sou, muitos destes momentos foram com algumas de nossas mais espetaculares aves de rapina. A harpia e o gavião-de-penacho são exemplos que já tive a oportunidade de compartilhar com vocês aqui na Virtude. Encontros com as águias cinzenta e chilena, com os gaviões pato e pega-macaco também o foram.

Um outro momento mágico ocorreu na minha fase “pré-wikiaveana”, quando ainda não fotografava. Foi meu primeiro encontro com o magnífico urubu-rei. Estava no quintal de casa (ainda morava em Brasília), quando subitamente olhei para cima e vi o rei dos urubus a planar sobre minha cabeça, a poucos metros. Quando você não está esperando e acontece uma situação destas, parece que o momento se torna ainda mais mágico, não? Aliás, esta imprevisibilidade inerente à observação de aves é um dos ingredientes da magia que me encanta e que me motiva a percorrer os sertões deste nosso país.

E para não ser um megalomaníaco chato rsrs, um dos momentos mais mágicos vividos por este que vos escreve, não foi um encontro com uma grande ave de rapina, e sim com um minúsculo beija-flor. Estava passarinhando sozinho à beira de uma linda lagoa em Matozinhos – MG, numa belíssima manhã de primavera, cheia de “passarinhos” e “passarões”, quando, mirando um choró-boi, vejo de relance um pequeno beija-flor interromper seu rápido voo bem na minha frente, parecia que queria me observar! Só deu tempo de dar um único click e o bichinho desapareceu como chegou, num passe de mágica. Pensei com meus botões: não deve ter dado foco. Curioso, fui ver como ficou, e para minha surpresa (e enorme alegria) era o belíssimo e raro chifre-de-ouro!!! E a foto ainda saiu com foco!… Levantei os olhos do visor, olhando toda aquela natureza deslumbrante ao meu redor… meus amigos… fiquei inexplicavelmente extasiado, literalmente em transe! Realmente mágico!

 

Mais uma proposta do Lado B: compartilhe momentos mágicos

Todo mundo que passarinha tem momentos mágicos. A aparição de uma ave rara, alguns segundos ou minutos podendo observar bem de perto alguma ave ou outro animal, uma luz muito especial, o olhar do bicho, e mesmo fotos ruins, mas que o autor sabe do valor.

O Momento Mágico não é uma foto espetacular: é um momento espetacular que você viveu, tenha conseguido foto boa ou não, talvez estivesse até sem câmera.

Basta escrever um texto e, se tiver uma foto, seja do momento ou de algo que represente seus sentimentos, envie junto para claudia.komesu@gmail.com. Fotos em 960×640 pixels, pelo menos uma na horizontal para ser capa do post. O texto não precisa ser muito longo, mas tente expressar o que você sentiu e pensou, afinal, o objetivo desta seção é valorizar o que vivemos, compartilhar e reviver alegrias.

Além do texto, diga data e local do momento mágico.

O Momento Mágico é uma seção permanente do Lado B. Você pode participar mesmo que seja seu primeiro post para a Virtude-AG. O material não precisa ser inédito nem exclusivo.