Por sugestão da Claudia Komesu, vou contar para vocês um pouco sobre o meu sítio na Serra da Canastra, ao lado do parque. Retirei o gado que havia, a vegetação nativa voltou a crescer e agora há um corredor para bichos como o tamanduá-bandeira e o lobo-guará, e até o pato-mergulhão às vezes visita o lago.

Minha casa em construção no sítio

Minha casa em construção no sítio

 

  • Texto: Jose Carlos Weiss
  • Fotos: Jose Carlos Weiss, e algumas de Claudia Komesu (que não foram feitas no sítio, são apenas para ilustrar o post)

Apesar de ser paulistano, sempre morei em casa com quintal e árvores. Acabei pegando gosto com o contato com a natureza. Estou mais para admirador da natureza e não sou birdwatcher, de modo que posso errar acidentalmente algum nome, mas aceito e adoro críticas construtivas. Morei por uns 8 anos em Alto Paraíso de Goiás e me apaixonei pelo Cerrado de Altitude. Acabei comprando um sítio na Serra da Canastra, ao lado do parque.

Logo que comprei, retirei o gado da área. Aos poucos, a vegetação nativa foi se recuperando. Chegou ao ponto de ser difícil caminhar em alguns trechos da mata ciliar. Ao contrário do que muita gente pensa, o Cerrado de Altitude tem muita riqueza de fauna e flora. Tem áreas de campo e partes com mata em volta dos rios e grotas paran onde as chuvas escorrem. Tem árvores de grande porte, como ipê, sucupira, e outras. Mesmo o campo possui um capim específico e muitas outras espécies que ficam “escondidas” e de repente soltam flores, frutos. Até quem sempre morou na região e é bom observador sempre acha novidades.

É uma natureza forte e delicada ao mesmo tempo, que é pouco conhecida e muito ameaçada. Apesar do sítio ter uma área pequena, acabou formando um corredor para animais do parque. A mata serve de abrigo e passagem para tamanduá-bandeira, lobo-guará,corujas grandes e um lago no fundo tem muitas vezes a nobre visita do pato-mergulhão. Apesar de ser bem arisco, adoro saber que ali eles estão seguros e me contento só com o som deles, pois assim que chegamos perto, saem rapidinho. Outro ser que adoro é o urubu-rei, que fica em paredões ao lado e acabam aproveitando correntes térmicas de lá.