A pessoa que compra uma ave engaiolada sem ter certeza se veio de um criadouro confiável corre o risco de ser cúmplice de uma atividade criminosa cruel e lucrativa: o tráfico de animais.

Pode parecer inocente e sem conseqüências, mas aquele pássaro na feira-livre, na beira da estrada ou no pet shop talvez seja um dos milhões retirados da natureza, transportados em caixas minúsculas, sem alimento, água ou ventilação e, se estiverem entre os poucos que sobrevivem a todo esse sofrimento, correm o risco de ter pedaços da asa cortados, receber bebida alcoólica ou serem cegos para parecerem mansos. Depois de comprados, ainda podem ficar atrofiados e deformados por viverem em gaiolas pequenas demais, ou doentes por receberem a comida errada.

A estimativa é que o comércio ilegal de animais movimenta pelo menos US$ 10 bilhões por ano, US$ 1 bilhão só com espécies brasileiras. De cada 10 aves, 8 morrem na captura ou transporte.

Na internet há diversos anúncios de venda e pedidos de compra, especialmente de papagaios e araras: muita gente de São Paulo querendo um casal de araras para ter no sítio. Nesses anúncios o vendedor sempre diz que tem autorização do Ibama, ou seja, que essas aves que ele está vendendo foram criadas em cativeiro, e não caçadas na natureza. Mas é preciso tomar cuidado porque criadores não idôneos falsificam esses documentos, pegam filhotes na mata e colocam a anilha, às vezes pegam até adultos e alargam a anilha ou quebram os dedos da pata para colocar a anilha. Filhote de papagaio-verdadeiro: R$ 1.800. Casal de araras-canindé mansas: R$ 2.300. Casal de ararajubas: R$ 3.500.

Com frequência o Ibama apreende carregamentos com centenas de canários-da-terra-verdadeiros ou filhotes de papagaios-verdadeiros. O mais triste é que, mesmo recebendo a denúncia, nem sempre a história tem final feliz. É comum o Ibama não ter recursos financeiros e a estrutura necessária para executar os procedimentos que precisam ser feitos antes de devolver as aves à natureza, e o destino pode ser a morte ou o cativeiro mesmo. Pesquise na internet: você verá dezenas de notícias sobre apreensões, as condições degradantes em que as aves estavam e, infelizmente, também relatos de aves que morreram no pátio do Ibama.

Enquanto houver quem compra, sempre haverá quem vende. Se você gosta das aves brasileiras, comprar sem ter certeza da origem é uma das piores ações que você pode fazer. Você corre o risco de estar contribuindo para esse processo em que as aves são caçadas, torturadas, mortas, e ainda dão lucro a traficantes.

É importante deixar claro que o tráfico de animais silvestres não tem nenhuma relação com criação de canários belgas ou calopsitas, que são espécies que não fazem parte da fauna brasileira e só sobrevivem como animais de estimação.

Há uma lista de aves silvestres brasileiras cuja criação amadora e comercial é permitida com autorização do Ibama. Entre os amadores, as mais famosas são os curiós, canários-da-terra-verdadeiros, azulões, trinca-ferros, bicudos, coleirinhos. Araras, tucanos e papagaios só podem ser criados comercialmente.  Segundo a Confederação Brasileira de Criadores de Pássaros há 500 mil criadores de aves silvestres cadastrados.

Os criadores e associações sérias fazem campanha contra o tráfico e orientam claramente aos novatos que é proibido ter uma ave que não tenha vindo de um criador certificado. Se você caça uma ave e coloca na gaiola, mesmo que não seja para vender, está cometendo um crime cuja pena é de 6 meses a 1 ano de prisão, mais multa que pode chegar a R$ 5.000 por ave, dependendo da espécie.

 

Na companhia das aves livres

Com um binóculo ou uma câmera você pode apreciar centenas de espécies de aves livres na natureza. O Brasil é um dos três países com mais espécies, são mais de 1.900. Uma cidade pequena, mesmo sem ter uma grande área preservada, possui mais de 100 espécies. Em um passeio pela manhã não é difícil ver mais de 40 espécies. Você pode admirá-las se alimentando, em voo, cuidando de filhotes, cantando, namorando, tomando banho de areia ou na água, até mesmo brigando ou copulando.

Quer saber como começar a fotografar aves? www.virtude-ag.com

 

Se você gosta de ter aves na gaiola, só compre se tiver certeza absoluta de que elas vieram de um criadouro honesto. Avise seus amigos. Se vocês souberem de alguma atividade criminosa, denunciem.

http://www.ibama.gov.br/cadastro-ocorrencias

Mais informações sobre o tráfico no site do Ibama
http://www.ibama.gov.br/fauna/trafico/procedimentos.htm

Mais informações sobre a legislação: http://www.ibama.gov.br/fauna/trafico/legislacao.htm

Exemplo de uma notícia de apreensão de aves silvestres em fevereiro de 2012. Mais de 1.500 canários, cardeais, pássaros-pretos e corrupiões em um porta-malas de um carro, presos em caixas pequenas e desitradatos

Fonte: http://noticias.portalbraganca.com.br/meio-ambiente/91-defesa-do-meio-ambiente/7208-meio-ambiente-mais-de-15-mil-passaros-silvestres-sao-apreendidos-pelo-ibama-no-interior-da-bahia.html / https://www.ecodebate.com.br/2012/03/01/trafico-de-animais-ibama-apreende-mais-de-15-mil-passaros-silvestres-no-interior-da-bahia/

Na maior apreensão de animais silvestres do ano, agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apreenderam 1.558 pássaros em Vitória da Conquista (BA), sendo 1.524 canários-da-terra, três cardeais, 29 pássaros-pretos e dois sofrês.

De acordo com o Ibama, as aves estavam no porta-malas de um carro, presas em caixas minúsculas, o que caracteriza maus-tratos.

Os animais foram descobertos durante uma operação de fiscalização da Polícia Militar  Rodoviária da Bahia na segunda-feira (27). Dois homens foram presos em flagrante por tráfico de animais e porte ilegal de arma, já que, no carro, também foi encontrado um revólver calibre 38. Os dois foram multados pelo Ibama em R$ 779 mil.

“Acreditamos, pela rota, que os pássaros seriam levados para os estados do Espírito Santo e do Rio de Janeiro. Eles [os traficantes] estavam dando voltas para fugir dos locais de fiscalização rodoviária mais intensa, como a [Rodovia] Rio-Bahia”, disse Ariosvaldo Antunes, chefe da fiscalização do Ibama em Vitória da Conquista. Antunes acredita que há mais moradores de Vitória da Conquista envolvidos com o tráfico de animais.

Segundo o boletim veterinário, os pássaros estavam desidratados, desnutridos e bastante estressados. Depois dos exames, a maioria dos animais foi solta na própria região.

Exemplo de notícia em que a fiscalização do Ibama descobre criadores não idôneos, que apesar de serem cadastrados mantinham aves capturadas da natureza

fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/passaros-silvestres-nativos-sao-apreendidos-na-rmc-45tl5ik2nd5zb01blwkslkg26

Pássaros silvestres nativos são apreendidos na RMC

Operação do Ibama aplicou multas a criadores que chegam a R$ 70 mil. Dos 13 criadores fiscalizados oito apresentaram ilegalidades

29/03/2011 | 18:47 Gazeta do Povo

Cerca de 120 pássaros silvestres nativos de criadores amadores foram apreendidos na região metropolitana de Curitiba nesta última semana. A Operação Sispass Legal, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Ibama, aplicou multas a criadores que chegaram a R$ 70 mil.

A operação do Ibama fiscalizou 13 criadores amadores cadastrados no instituto e em oito foram encontradas infrações ambientais, dentre elas aves sem identificação ambiental e aves com registros adulterados.

As aves em situação irregular foram encaminhadas para o Centro de Triagem de Animais Silvestres mantido pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC-PR, em Tijucas do Sul, na região metropolitana de Curitiba.

Para criar pássaros silvestres nativos é necessário cadastrar o animal no Sistema de Cadastramentos de Passeriformes (Sispass) do Ibama. Somente a comercialização destes animais é vedada aos criadores amadores que possuem autorização.

Segundo a assessoria de imprensa do Ibama, a operação de fiscalização deve continuar nos próximos dias. A criação de animais silvestres em cativeiro sem autorização do Ibama é crime ambiental passível de multa, apreensão dos animais e processo criminal.

A Virtude-AG prefere ver as aves livres, mas não condena as pessoas que criam aves legalmente. A estimativa é de que haja milhões de brasileiros que criam aves em gaiolas. Queremos apresentar a observação de aves, e quem sabe a pessoa muda de hobby?

Quem caça ou compra aves roubadas da natureza está cometendo crimes, não faça parte. O tráfico tortura e mata milhões de aves todos os anos.

Faça sua parte, ajude a combater a caça e o tráfico

IBAMA: 0800-61-8080
linhaverde.sede@ibama.gov.br

www.renctas.org.br

Polícia Ambiental:
www.pmambientalbrasil.org.br
– São Paulo: 11 5082-3330
– Rio de Janeiro: 21 2701-8262
– Belo Horizonte: 181 (Disque Denúncia)
ou 31 2123-1600

.

Reflexões sobre o problema do aumento de animais silvestres como PETs no Brasil

O texto as imagens dos posts chamados “Livre divulgação” podem ser usados para divulgação do birdwatching e da natureza. Por favor, cite a fonte: www.virtude-ag.com.

 

Link para o arquivo zipado 6MB com diversas imagens para divulgação. Qualquer dúvida, entre em contato comigo (claudia.komesu@gmail.com)