O Brasil é um gigante em riquezas naturais. Todos sabem que a Amazônia e a Mata Atlântica têm recordes de biodiversidade. Mas você sabia que o Pantanal é a maior planície alagável do planeta, e que o Cerrado possui um dos maiores reservatórios subterrâneos de água doce do mundo? O Pampa é essencial para a sobrevivência de milhares de aves migratórias, a Caatinga é um bioma que só existe no Brasil e guarda várias espécies que não existem em nenhum outro lugar, e estão sob risco grave de extinção.

O Brasil também é um dos países com mais espécies de aves, com 1.832 (o campeão é a Colômbia, com 1.876). Pessoas do mundo todo vêm ao Brasil só para ver e fotografar nossas aves. Esse passatempo chamado birdwatching é praticado por milhões de pessoas há várias décadas, mas no Brasil ainda é recente. O birdwatching tradicional usa o binóculo. No Brasil, muitas pessoas têm se apaixonado pelo hobby por meio da fotografia digital.

Não faltam motivos para tanto interesse:

– o birdwatching é a “desculpa” e motivação para passear mais, tanto em lugares próximos como até mesmo viagens para outros países.

– a atividade oferece uma boa mistura de relaxamento e adrenalina: as caminhadas pela mata, campos, parques ajudam a espairecer. Mas quando aparece uma espécie rara, ou a oportunidade para uma boa foto, o coração vai a mil.

– para quem gosta de listas, o birdwatching não tem fim. O objetivo pode ser registrar a maior quantidade possível de espécies de um bioma, do país, de outros países, de uma família de aves, das endêmicas, das ameaçadas de extinção, juntar a lista de todas as aves já vistas. Há mais de 9 mil espécies de aves no mundo.

– a maioria dos birders gosta da natureza, não apenas de aves. O passeio para ver aves também rende avistamentos e fotos de borboletas, besouros, anfíbios, répteis, flores, árvores, paisagem. Macacos, bichos-preguiça, ouriços, gambás, não são raros. Em locais mais preservados também aparecem veados, tatus, tamanduás, lobo-guará e até a onça-parda e a pintada.

– as oportunidades fotográficas são tão espetaculares como a diversidade de temas. Com uma câmera razoável e dedicação, vários amadores têm feito fotos dignas de livros.

– o birdwatching pode ser praticado em qualquer lugar. Mesmo cidades sem áreas preservadas alcançam facilmente mais de 100 espécies de aves. Todas as aves apresentam comportamentos interessantes e fotogênicos.

– o birdwatching não tem restrições. Há muitos homens na faixa dos 20 aos 40 anos, mas crianças de 7 anos que têm pais birdwatchers já tiram fotos, há muitas pessoas com mais de 60 anos e disposição de fazer inveja aos de 20, e também deficientes físicos. Se a pessoa não pode fazer esforço físico, basta ir mais devagar e passarinhar nos locais acessíveis de carro. Até cegos podem apreciar as aves, por meio dos sons.

– como em outros hobbies, os birders brasileiros formam uma comunidade. A maioria do pessoal é simpático e passa informações e orientações para novatos e colegas.

 

Para saber mais

www.virtude-ag.com – site com várias dicas para quem está começando, relatos de viagens e sugestões de onde passear.

www.wikiaves.com.br – Wikipédia, banco de imagens e de sons, mapa de ocorrência e rede de relacionamentos dos birdwatchers brasileiros

www.reservaguainumbi.com.br – Reserva Particular de Mata Atlântica a 190 km de São Paulo. Possui uma pequena pousada, e é um dos destinos mais famosos entre as pessoas que freqüentam o Wikiaves. Focada em amantes da natureza, especialmente observadores de aves.

www.avesderapinabrasil.com.br – Site especializado para quem gosta de gaviões, águias e corujas. Conteúdo denso e bem feito, alimentado por um jovem ornitólogo do Paraná.