Fishwatching – snorkeling em Shelly Beach, Clovelly Beach e Coffs Harbour

Em dezembro de 2017 fiz uma viagem com a família pra Austrália (eu, Cris e Daniel). Apesar da Austrália ser um paraíso pros amantes da fauna, nossos programas foram amenos. Não fomos pra Grande Barreira de Corais, não fizemos roteiro focados em passarinhar. A gente tinha que conciliar interesses diversos, principalmente respeitar o fato de que o Daniel não é fissurado por fotografia de fauna.

Como não sou movida por lifers, eu teria sido capaz de passar 20 dias em Sydney, passarinhando em parques urbanos ou arredores, fazendo snorkeling nas praias de Sydney e de Manly. Mas o Cris achou o fim da picada a gente ir pra Austrália e não rodar um tanto, por isso tivemos alguns dias em Katoomba e depois em Coffs Harbour, que foi o jeito da gente conciliar mais ou menos nossos interesses.

As praias de Sydney não são espetaculares pro snorkeling. Quem vai pra fazer snorkeling ou mergulho realmente precisa ir mais pro norte, Brisbaine, pra Grande Barreira de Corais. Estudamos essa possibilidade, mas desistimos. As informações que encontramos diziam que pra valer a pena você deve fazer um liveaboard ou ficar numa ilha. São esquemas caros, e você corre o risco de pegar mar turvo e não ver nada durante uns dias. Estudamos Lady Elliot Island, Heron Island. Mas além de bem caro, havia descrições sobre instalações deterioradas em Heron Island, restaurante overpriced. Lady Elliot era bem melhor avaliado, mas os dias que teríamos para ir pra lá tinham horários ruins de maré. Fora isso, dizem que no verão da parte central ao norte há risco de você pegar bastante chuva, e até furacões. Por isso limitamos nossas aventuras marinhas a Sydney, Manly e Coffs Harbour.

Depois de ler um tanto, me pareceu que Shelly Beach, em Manly (um distrito colado em Sydney) seria o melhor lugar para snorkeling. Manly é longe do centro de Sydney, e eu fui xingada pelo Cris e pelo Daniel por ter reservado 5 dias num lugar tão fora de mão. Mas eu estava morrendo de vontade de conhecer o mar da Austrália, e como não iríamos pra Grande Barreira de Corais, seria minha oportunidade. Apesar de ter sido bem cansativo chegar (voo longo, atrasos, canseira) por fim todos gostaram bastante, mesmo a gente tendo tido azar com o clima. Chegamos sob chuva e frio, algo atípico pra dezembro. Nosso apartamento era legal, bem localizado, tinha vários restaurantes por perto, tínhamos uma varanda com churrasqueira, fizemos churrasco de camarão e peixe, vista bonita, inclusive podendo fotografar os maravilhosos Rainbow Lorikeets de cima pra baixo. Manly é um lugar em que você ouve brasileiros falando português o tempo todo, um lugar muito tranquilo e simpático. E o trajeto pra Sydney podia ser feito por ferry boat. Estávamos a 10 minutos a pé do porto, íamos pra lá, pegávamos o ferry, que já é um passeio, e em 20 minutos estávamos em Sydney.

Se eu soubesse o que sei hoje, saberia que poderia ter feito snorkeling mesmo com o tempo feio. Tinha muita gente na água, mas minha brasilidade não se animava com a ideia de ir pra praia com aquele vento gelado.

 

Snorkeling em Shelly Beach – Manly

Entre chegar meio zureta da viagem, ir se aclimatando, tentar pegar leve pra não sofrer de mal do viajante, foi só depois de três dias que decidi ir pro mar. O tempo estava um pouco melhor, mas ainda era cinza e frio. Fui pra Shelly Beach numa tarde em que era só eu e o Daniel, o Cris tinha ido jogar poker no Cassino. Tempo nublado, cinza, água gelada. Ainda não tínhamos comprado nossas roupas de neoprene, mas já estávamos com as câmeras novas, a Olympus TG5. Quando estava pra entrar no mar, tinha um senhor com roupa de neoprene e snorkel saindo. Olhei pra ele, ele me falou que não estava muito bom, que só havia uns peixes pequenos (ou seja, nada de arraias, tartarugas), e que para vê-los, era pra me manter perto das rochas.  A água não estava transparente, tinha bastante material em suspensão. E realmente eram poucos peixes. Muitas algas bonitas, e de peixes os principais eram os Smooth Toadfish, vi mais umas duas ou três espécies, mas fotos ruins.

A Olympus marca temperatura. Descobri que estava em média 20 graus, em alguns lugares até mesmo 17,4. Só meu amor pelo snorkeling explica como consegui ficar na água sem neoprene. Teria fica mais, mas não queria abusar do Daniel (ele tinha entrado um pouco na água. Eu voltava pra praia de vez em quando pra checar como ele estava, e numa das vezes ele estava molhado, me falando “acabei de tomar uma das piores decisões da minha vida” – entrar na água).

Ou seja, meu primeiro snorkeling na Austrália foi em condições bem difíceis e não vi quase nada, mas estava feliz.

Voltei pra Shelly Beach mais duas vezes, na parte final da viagem, depois de já ter passado pelas Blue Mountains e por Coffs Harbour. Nessa segunda vez em Shelly o dia estava nublado, com promessa de chuva, mas eu queria ir mesmo assim. Já estávamos hospedados no centro de Sydney, então tivemos que pegar o ferry boat.

Eu aproveitei muito. Em vez de chegar até a praia de Shelly, parei no caminho, uns 200 metros antes, num trecho em que há dois ou três acessos pra água, com escadas de metal, em frente ao The Bower Restaurant. Reparei que tinha gente com snorkel naquele trecho e decidi entrar também. O Cris e o Daniel disseram que entrariam depois se eu falasse que estava bom. Nadei um pouco, vi vários peixinhos, arraia, avisei-os que estava bom, mas o tempo feio os desanimou e logo começou a chover bastante. Eu continuei na água durante um tempo, até achar que estava abusando da paciência deles, então saí da água. Estávamos andando em direção ao porto pra pegar o ferry e pegamos chuva de granizo. Pedras pequenas, mas era gelo. (Sendo que essa foi a manhã que pegamos 38 graus passarinhando no Centennial Park).

Nesse dia quase consegui fazer um birdwatching submarino. Um Little Pied Cormorant (um tipo de biguá) mergulhou perto de mim, nos olhamos surpresos, mas não deu tempo de fotografar, ele foi embora antes, uma pena.

Meu terceiro snorkeling em Shelly Beach foi no último dia de Austrália. Meio de supetão. O Daniel queria andar de caiaque, eu não estava muito a fim, e o Cris deixou eu ir fazer snorkeling enquanto só ele iria com o Daniel pro passeio de caiaque. Foi o dia que vi mais bichos legais, inclusive muitas águas-vivas e algo que acho que era uma medusa. Maravilhosa, cor de rosa, linda, com vários peixinhos pequenos nadando perto dos filamentos.

Não sei se vocês sabem, mas águas-vivas queimam. Na região de Sydney não há as mais perigosas, as que são capazes de matar. Mas no verão tem muitas. Eu tinha lido um tanto sobre elas, e só não estava muito preocupada porque tinha outras pessoas na água, inclusive gente de biquíni ou de sunga. Pensei “esse monte de águas-vivas não pode ser algo muito perigoso, ou não teria tanta gente com pouca roupa por aqui”. Mas aquela medusa, eu não sabia o quanto ela podia ser venenosa. E o mar estava agitado. Eu vi que os peixes estavam se deliciando com restos de águas-vivas, e havia muito material na água que parecia restos de águas-vivas. De repente, algo queimou minha orelha e o lado do rosto. Não foi uma dor horrível, mas era uma sensação de ardência. Por isso, infelizmente decidi me afastar daquele pedaço tão promissor pra fotografias, e fui pra um canto com menos águas-vivas.

Nesse dia vi um grupo de lulas, uma fofura, nunca tinha visto. Além da pose clássica, que você está acostumado a vê-las quando elas estão mortas na peixaria (mórbido, mas verdade), em alguns momentos elas nadavam com os tentáculos invertidos, fazia elas parecerem uns pokemons. Também vi pequenas arraias e várias espécies de peixes, inclusive belos Leatherjacket.

Esse dia foi muito bom, era como eu tinha imaginado que seriam todos os mergulhos em Manly. Pena que estava nublado, com pouca luz. Quando as fotos começaram a ficar muito ruins (e também porque eu sentia meus ombros doendo, talvez tensão de preocupação com as águas-vivas), saí da água. Fui pro banheiro público, onde tinha chuveiros, me aprontar pra encontrar o Cris e o Daniel no restaurante pré-combinado.

 

Clovelly Beach

Fomos pra Clovelly Beach num domingo lindo, ensolarado. Minhas pesquisas diziam que esse podia ser um bom ponto pra snorkeling, até com possibilidade de polvos e cavalos-marinhos.

A água estava bem limpa, e na maré baixa, com sol, as fotos ficavam bonitas.

O único problema é que era um domingo com sol, e havia uma quantidade absurda de gente na praia. Quando fomos chegando, o Daniel comentou “o que tiver de peixinho nesse lugar, provavelmente está escondido”. E foi assim mesmo. Até fotografamos alguns peixes, mas tinha pouca coisa, e a sensação é de que o excesso de pessoas diminuía muito a chance de ver coisas legais.

 

Coffs Harbour

Coffs Harbour não tem lugares onde você pode ir para uma praia e fazer snorkeling, é preciso contratar uma agência e pegar um barquinho. A principal agência é a Jetty Dive Center. Agendamos um passeio com eles, e tivemos sorte de pegar um dia ensolarado, com pouco vento, e água a 24 graus. Nosso instrutor falou que era a melhor temperatura que poderíamos pegar.

O ponto onde o barco parou tinha várias espécies de peixes, mas foi decepcionante porque no geral eles ficavam em lugares mais fundos, ruins para fotografar. Era bonito de ver, mas meu ideal de snorkeling são praias de águas transparentes, maré baixa, muita luz e bichos próximos da superfície. Além dos peixes, vimos uma arraia diferente, com pintas brancas, vimos tartarugas. O pessoal que estava lá de cilindro viu um tubarão-martelo.

Foi um passeio legal, mas acho que o birdwatching brasileiro traz essa influência de querer ver de perto e conseguir fotos bonitas. Ver de longe com a luz azulada da profundidade é frustrante.

 

 

Cuidados

– Lembre-se que qualquer lugar com água tem riscos de correntezas, seja sempre conservador. Na dúvida, não se afaste dos locais que reúnem a maior concentração de pessoas. Várias praias têm bandeiras sinalizando o trecho seguro para nadar, e também é comum haver salva-vidas. Você pode ir conversar com ele sobre locais seguros e locais perigosos da praia.

– Nas praias também havia placas de “Devido à poluição, não entre no mar por dois dias depois de chuvas fortes”. Quando li não fez muito sentido, mas uns dias atrás li um artigo falando de uma pesquisa em que 9% dos surfistas analisados estavam contaminados com super-bactérias, contra 3% das outras pessoas que costumam entrar na água. E a matéria explica que engolir sem querer água do mar (algo comum pra surfistas) é uma das formas de se contaminar, e o risco de contaminação aumenta depois de chuvas fortes que levam dejetos pro mar.

– A maioria das pessoas que vimos não estava com macacão de lycra ou neoprene, e sim com biquinis e sungas. Em Clovelly Beach a gente se sentiu um ET, naquela praia lotada acho que éramos os únicos com neoprene. Mas quando entramos naquela água fria ficamos contentes de sermos ETs.

– As roupas contra água-vivas (stinger suits) são macacões de lycra que te cobrem inteiro, inclusive a maior parte do rosto, você fica parecendo um teletubbie. Eu não comprei capuz. Mas depois de sentir a queimadura em Shelly Beach, fiquei pensando que o certo seria estar com um capuz de neoprene.

– No Norte da Austrália há águas-vivas que podem matar. Mas por acaso (e depois que voltei da viagem) topei com uma notícia de um garoto que provavelmente foi atacado por sea lices no ano passado, numa praia de Melbourne. E também li que sea lices e águas-vivas geralmente estão próximos, porque águas-vivas se alimentam de piolhos do mar. O Cris diz que eu sou muito paranóica, mas depois de ler e ver as fotos, penso que o certo é sempre entrar na água o mais protegido possível. Macacão seja de neoprene ou de lycra, luvas, meias e talvez até capuz.

 

Conclusão

– Sydney não é um grande destino pra snorkeling. Mas como eu moro em São Paulo, e já me diverti com menos em Bertioga, Ubatuba, Paraty, digo que se você está indo pra Sydney por outros motivos, pode se divertir em Shelly Beach, basta não ter altas expectativas.

– A expectativa de temperatura de água no verão é em torno de 20, no máximo 24 graus. A não ser que você seja bem resistente ao frio, o melhor é estar equipado com uma roupa longa de neoprene de 3mm, algo que você pode usar no Brasil também. Compramos as nossas na https://scubadiving.com.au/. É um barracão grande, com muitas opções, você só precisa ter a sorte de pegar um bom vendedor. As roupas do Cris e do Daniel saíram por 160 dólares australianos cada, um neoprene elástico bem confortável (a minha foi 180, porque a versão feminina da deles era fúcsia, e eu não queria).

– Coffs Harbour pode ser legal, mas sabendo que as condições pra fotos são difíceis.

– Pra região da Grande Barreira de Corais, talvez seja ignorância nossa, mas não achamos nenhum super destino pra fazer snorkeling numa praia. Parecia que só valia a pena indo pra uma ilha, e não podia ser qualquer ilha. É um programa caro, e os mais baratos, como Moreton Island, recebem várias avaliações negativas. Dizem que pra mergulho com cilindro a Grande Barreira ainda é sensacional, mas você precisa pegar um liveaboard.

 

Desculpem pelas informações meio depressivas na parte de cuidados, e por falar das regiões com ressalvas, mas acho importante fazermos os passeios com o máximo de informações.

Gostei muito de fazer snorkeling na Australia, principalmente em Shelly Beach, e voltarei lá quando puder. O último dia com as águas-vivas foi incrível, pena que não fotografei mais na área que estava cheia de peixes, águas-vivas e coisas que pareciam pedaços de águas-vivas boiando (e sei lá se tinham sea lices). Acabei deixando o lado conservador vencer. O Cris fez uma inception (do filme com o Leonardo Di Caprio) em mim uns anos atrás, uma das vezes que eu ia ficar uns dias no Kruger sozinha (ele tinha que voltar antes pra São Paulo). Ele me segurou pelos ombros, olhou profundamente nos meus olhos e falou “mantenha-se longe de problemas”. Agora todas as vezes que penso “faço ou não faço, vou ou não vou”, principalmente quando estou sozinha, tenho que pensar se estou me mantendo longe de problemas ou se seria quebrar minha promessa pro Cris.

Outros lugares muito bem falados pra snorkeling são Tailândia, Caribe. Íamos começar a conhecer o Caribe (onde é muito mais barato mergulhar de cilindro do que no Brasil) quando apareceu a Zika e Chikungunha. Um colega que já mergulhou em vários lugares do mundo disse que a Tailândia é o lugar que mais o impressionou. Mas vocês sabem: Tailândia não é fácil de chegar na logística e também é zona de Zika, Chikungunha. Nordeste brasileiro tem lugares maravilhosos, que eu adoraria explorar, se não fosse essa preocupação com Zika. Um amigo foi há pouco tempo pra Fernando de Noronha e disse que lá ninguém fala de Zika, e que ele não teve nenhuma preocupação. Em março vou passar uns dias em Bombinhas – SC, Praia da Sepultura. Depois conto como foi.

 

 

Viagens fora do Brasil (+)