Lapinha da Serra 01
Distrito de Lapinha da Serra em Santana do Riacho/MG
Lapinha da Serra 02
Distrito de Lapinha da Serra em Santana do Riacho/MG
MAPA ESPINHAÇO
Mapa do Espinhaço. Fonte: Site do Espinhaço
Asthenes luizae
lenheiro-do-cipó (Asthenes luizae)
Augastes scutatus
beija-flor-de-gravata-verde (Augastes scutatus)
Juquinha 02
Juquinha em Santana do Riacho/MG.
Megascops choliba
corujinha-do-mato (Megascops choliba)
Morro da Pedreira
Morro da Pedreira em Santana do Riacho/MG
Velliniornis mixtus
pica-pau-chorão (Veniliornis mixtus)
Nystalus chacuru
joão-bobo (Nystalus chacuru)
P1190385
papa-moscas-do-campo (Culicivora caudacuta)
Trilha Mãe D'Água 01
Trilha Mãe D'Água em Santana do Riacho/MG

 

A Serra do Cipó é uma das localidades mais relevantes da Serra do Espinhaço e possui fácil acesso pela rodovia MG-010. Localizada a aproximadamente 100 quilômetros de Belo Horizonte/MG

A Cadeia do Espinhaço, conjunto de serras que dividem o país nos biomas Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, guarda tesouros se valor inestimável para todo o tipo de pessoa, desde o simples turista em busca de cachoeiras ao pesquisador conservacionista em busca de endemismos (espécies de seres vivos que podem ser encontradas em apenas em determinada região). A cordilheira possui cerca de 1200 quilômetros de extensão e cortam os estados de Minas Gerais (Quadrilátero Ferrífero) e Bahia (Chapada Diamantina) no sentido Norte-Sul. Formada por um relevo bastante característico, a região é famosa por possuir uma das fitofisionomias (tipo de vegetação) mais importantes do mundo, os campos rupestres. Esses campos, que ocorrem nas partes mais altas das serras, possuem um ecossistema único e extremamente rico além de guardar uma inúmera série de nascentes que alimentam importantes rios e abastecem milhões de pessoas.

A Serra do Cipó é uma das localidades mais relevantes de todo o complexo montanhoso e possui fácil acesso pela rodovia MG-010. Localizada a aproximadamente 100 quilômetros de Belo Horizonte/MG, uma das histórias sobre o nome diz que ele se deve ao Rio Cipó, que possui formas bastante sinuosas, remetendo à estrutura vegetal. O principal município é Santana do Riacho/MG e a referência para os visitantes é o distrito de Serra do Cipó (antigo Cardeal Mota). A localidade é repleta de pousadas e hotéis para todos os gostos e bolsos. Possui ampla rede de lojas de e restaurantes onde pode-se adquirir produtos do artesanato local e degustar a mundialmente famosa culinária mineira e boas cachaças.

Bem, vamos falar de passarinho?! A Serra do Cipó certamente é um dos locais mais procurados por observadores de aves principalmente por possuir uma fauna única onde muitas das espécies só podem ser observadas lá. Nos últimos dois anos eu fiz cerca de 5 visitas ao local e irei destacar alguns dos principais pontos onde estive e registrei várias espécies.

Certamente uma das localidades mais procuradas é o distrito de Santana do Riacho/MG conhecido por Lapinha da Serra. Em visita com minha família, fiquei hospedado na Pousada Du Breu e fiquei bem satisfeito. A humilde localidade é afastada do Centro turístico mas possui uma suficiente rede de pousadas, bares e restaurantes. Caracterizada pelas maravilhosas lagoas, a localidade também possui belas cachoeiras e trilhas impressionantes, para todos os gostos. Aqui podem ser registradas espécies como a recém descrita e endêmica pedreiro-do-espinhaço (Cinclodes espinhacensis) e o beija-flor-de-gravata-verde (Augastes scutatus). Também podem ser registrados o campainha-azul Porphyrospiza caerulescens) e o ameaçado capacetinho-do-oco-do-pau (Poospiza cinerea).

Um dos pontos bem legais é o entorno do Morro da Pedreira. Local de beleza cênica única, caracterizado por um exuberante afloramento rochoso, que dá nome ao local. Localizado no Distrito de Serra do Cipó, o Morro da Pedreira está muito próximo do centro turístico e possui várias estradas e trilhas bem legais e de fácil acesso. Visitei o local também em viagem com a família e fiquei na Pousada Carumbé, a qual eu recomendo para ficar com a família. Caminhando pela estrada é possível ver bastantes coisa da flora e fauna e uns trechos de campos. Entrando nas trilhas da Pedreira, a floresta ganha espaço e, apesar de ser bastante impactada, também guarda espécies bem legais. Aqui pode ser observados o joão-bobo (Nystalus chacuru), fruxu-do-cerradão (Neopelma pallescens) e o rabo-mole-da-serra (Embernagra longicauda).

Outro ponto, essa visitei em atividade com a ECOAVIS e recentemente com o amigo fotógrafo e passarinheiro Ricardo Fonseca, é a Trilha Mãe D’Água. Essa trilha fica bem próxima à Pousada Chapéu do Sol. Essa é mais simples e boa para passar a noite. Tem um restaurante anexo com boa comida e cerveja gelada. Aqui foi uma festa de beija-flores: beija-flor-de-gravata-verde (Augastes scutatus), chifre-de-ouro (Heliactin bilophus), beija-flor-de-orelha-violeta (Colibri serrirostris) e o estrelinha-ametista (Calliphlox amethystina). Além desses conseguimos registrar o pica-pau-chorão (Veniliornis mixtus). Saindo da Pousada e subindo pela rodovia MG-010 sentido Morro do Pilar, dois pontos merecem ser conhecidos. Um deles é o local onde ocorre o lenheiro-do-cipó (Asthenes luizae) e o outro é o famoso Juquinha, lendário personagem da Serra do Cipó.

Em Morro do Pilar/MG, ainda pela ECOAVIS, visitamos a RPPN Aves Gerais, administradas pelos amigos Lucas e Luciene Carrara. A área da RPPN é uma pequena mata bastante conservada e com uma fauna bem representada. Do outro lado da estrada, uma área aberta e brejosa, que guarda algumas das belas aves do local como a perdiz (Rhynchotus rufescens) e a codorna-amarela (Nothura maculosa), narcejão (Gallinago undulata), o lindo papa-moscas-do-campo (Culicivora caudacuta) e os não menos bonitos papa-moscas-de-costas-cinzentas (Polystictus superciliaris) e tico-tico-do-banhado (Donacospiza albifrons).

O Parque Nacional Serra do Cipó também é espetacular e merece ser visitado, sobretudo a região de Alto Palácio, onde ocorrem as canelas-de-ema-gigantes. O cenário é exuberante e os vastos campos resultam em belos cliques sem muito esforço. Aqui podem ser observadas espécies como o rabo-mole-da-serra (Embernagra longicauda), o imponente urubu-rei (Sarcoramphus papa) e o canário-do-brejo (Emberizoides ypiranganus). A parte baixa também é bem especial e possui várias trilhas e cachoeiras. O acesso pode ser feito no Centro Turístico.

Bom, essa é minha pequena contribuição do pouco que conheço da região. Certamente voltarei muitas e muitas vezes e trarei mais novas e boas lembranças desse arca do tesouro mineiro.

Para os interessados em visitar a região e saber mais sobre as localidades e acessos, acessem http://www.historiasdeobservador.com.br/p/about.html e enviem e-mail, terei prazer em ajudar.