Por que vale a pena: Extrema é a primeira cidade do Estado de Minas Gerais , que sempre deixou claro sua vocação para o ecoturismo, com possibilidades de fazer rafting, rapel, voo livre, cavalgadas entre outros e muitas aves. Além, naturalmente, dos doces e quitutes mineiros à venda na cidade. Tudo isso pode proporcionar passeios para os diversos gostos: de aventura, em família, ou especificamente para observar e fotografar aves. A cidade também patrocina muitas festas regionais e seu rodeio anual, que sacode o sul de Minas.

Savacu (Nycticorax nycticorax) Black-crowned Night-Heron

 

  • Texto:  Wilson Lucheti e Ricardo Q T Rodrigues
  • Fotos: Bruno Salaroli, Elisa Torricelo, Fernando Cipriani, Ricardo Q T Rodrigues, Roberto Gallacci  e Wilson Lucheti

Hoje Extrema conta com mais de 240 espécies de aves registradas, acreditamos que muitas ainda estão por serem descobertas, pois ali fica a Serra do Lopo  que é uma importante porção de Mata Atlântica de altitude,  bem preservada e que, em suas trilhas, revela paisagens incríveis de horizontes longínquos  e muitas oportunidades de registros fotográficos.

Quadro Resumo

  • Espécies destacadas: jacurutu, cabecinha-castanha, choquinha-de-asa-ferrugem, japu, estalador, pinto-do-mato, tovaca-de-rabo-vermelho, tapaculo-preto, urubu-rei entre outros grandes registros feitos na cidade.
  • Nível de dificuldade das trilhas: na Serra do Lopo, na trilha que leva à Pedra do Cume (1.800 metros), recomenda-se ir com guia. Entretanto, pode-se fazer tranquilamente diversas outras trilhas na torre da Embratel ou próximo às rampas de salto de asa delta.
  • Infraestrutura do local: há opções de hospedagem para todos os bolsos. Na alimentação destaque para a comida mineira. Veja opções no site: http://www.extrematur.com.br/
  • Onde fotografar: a Serra do Lopo é o principal destino com suas muitas trilhas, porém existem diversas opções de banhados, o parque de eventos para alguma passagem mais rápida, o Bairro dos Tenentes e as diversas estradas de terras que margeiam os rios Jaguari e  Camanducaia. Se não tiver muito tempo, vá direto à Serra do Lopo.
  • Como chegar: fica apenas a 100 km de São Paulo pela Fernão Dias, que atualmente oferece condições seguras para chegar até lá e com um pedágio bem baratinho. Chegando à cidade, procure o Centro de Informações Turísticas – CIT que está preparado para lhe fornecer a relação de espécies de aves registradas na cidade gratuitamente.
  • Guia ornitológico: *Geiser Trivelato é a opção para a região. Na impossibilidade de contratar um guia, os colegas de Wikiaves Ricardo Q T Rodrigues (que reside na cidade), Fernando Cipriani, Wilson Lucheti e Andreas Oberhuber poderão lhe dar mais dicas.
  • Quando ir: é possível observar aves em todas as épocas do ano, sendo que de setembro a novembro as aves estão em maior movimento em razão do período reprodutivo.