Será possível que o bicho homem vai destruir mais um paraíso?

Será possível que o bicho homem vai destruir mais um paraíso?

 

Este post foi publicado no dia 30 de janeiro de 2014. Até o dia 27 de março de 2014 a Cetesb não deu nenhuma resposta. No dia 27 mandei nova mensagem para o Dr. Otávio Okano:

“Prezado Dr. Otávio Okano:

não recebemos ainda nenhuma resposta da Cetesb sobre a mensagem enviada em janeiro, e publicada no site www.virtude-ag.com
http://virtude-ag.com/eu-divulgo-tanqua-msg-cetesb-jan14/

Montamos uma página no Facebook sobre o Tanquã: https://www.facebook.com/tanquatanqua, e pudemos assim coordenar uma manifestação de apoio no último domingo, dia 23, que contou com a participação de 160 pessoas, e a cobetura do G1 e da Record, além de jornais de Piracicaba.

Estamos acompanhando as notícias, e compartilhando.

foi uma alegria saber que os Comitês PCJ também emitiram parecer, divulgado agora no dia 24 de março, pedindo que a obra da barragem não seja aprovada enquanto os estudos apresentados pelo Departamento Hidroviário forem tão incompletos e falhos.

Estamos acompanhando as notícias, e na expectativa de que a Cetesb tome a decisão correta de exigir seriedade no planejamento de obras públicas, ainda mais num caso em que o dano à natureza é irreversível.

Muito obrigada pela atenção,
Claudia”

Amigos birdwatchers:

O parecer do promotor Ivan Carneiro Castanheiro, que aponta as incongruências do relatório do consórcio da hidrovia foi encaminhado para o presidente da Cetesb, Dr. Otávio Okano.

Quem quiser apoiar o Tanquã, mostrar que há muitas pessoas que estão acompanhando as notícias e torcendo pela permanência do Tanquã ou, no mínimo, que a natureza seja tratada com respeito na questão de compensações ambientais, pode escrever para o Fale Conosco da Cetesb, mensagens endereçadas ao Dr. Otávio Okano.

Por favor, apenas mensagens gentis e educadas. Eles não são as pessoas para quem podemos reclamar sobre a ideia de uma hidrovia, eles são as pessoas que podem exigir que o consórcio aja com decência, e não com o descaso que tem demonstrado até agora pelo meio ambiente.

Sugestão de mensagem:

Prezado Dr. Otávio Okano,

Sou birdwatcher, e tenho acompanhado as notícias sobre a construção da barragem de Santa Maria da Serra e seus impactos ambientais. Soube do parecer escrito pelo promotor Dr. Ivan Carneiro Castanheiro, que explicita as incongruências e omissões dos relatórios do consórcio Themag/Ebei/Vetec/Umah.

Se a construção da barragem for inevitável, estamos na expectativa de que as ações compensatórias estejam à altura dos danos ambientais que ela causará.

Muito obrigado,

Claro, você pode mandar escrever outro texto. Escrevi uma carta longa pra variar, colo abaixo.

O importante é: PARTICIPEM. São raras as ocasiões em que há um grupo mobilizado a favor da natureza, o mais comum é a destruição de muitas áreas que nem ficamos sabendo que existiam. Neste caso o CEO e Ongs tomaram a liderança e ajudaram a pelo menos adiar o início das obras. Nosso apoio pode ajudar. Algo simples como um e-mail para um Fale Conosco, multiplicado dezenas ou centenas de vezes, dá o tom de que a sociedade se importa com a questão e está torcendo pela vitória da justiça, que não queremos mais ver obras que tratam a natureza com total descaso.

Versão integral do parecer do promotor Ivan Carneiro Castanheiro: https://docs.google.com/file/d/0B_mkQRw2JJaKRHMzcnFJNEFUMW8/edit

Mandem uma mensagem legal e gentil para o Fale Conosco da Cetesb. Acompanhem as notícias e decisões, é fácil, o Luciano Monferrari está por dentro de tudo e sempre repassa as notícias. Nós podemos ajudar a evitar a destruição de uma área muito importante para aves aquáticas e migratórias e, se essa destruição for inevitável, podemos fazer pressão para que as ações compensatórias estejam à altura.

obrigada, abraços!

Claudia

 

Mensagem enviada ao Fale Conosco da Cetesb, ao Dr. Otávio Okano Presidente da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Prezado Dr. Otávio Okano,

Meu nome é Claudia Komesu. Eu e diversos colegas birdwatchers temos acompanhado recentemente as discussões sobre os impactos da construção da barragem de Santa Maria da Serra.

Tive a oportunidade de ler a Recomendação do Dr. Ivan Carneiro Castanheiro. Alguns colegas já haviam me falado que os relatórios apresentados pelo consórcio Themag/Ebei/Vetec/Umah apresentavam várias incongruências, e ontem pude ler trechos como “b) Insuficiente da previsão de R$ 193.000.000,00 (cento e noventa e três milhões de reais) para implantação dos 31 (trinta e um) Programas Ambientais mencionados no ElA-RIMA, pois tal valor inclui os custos total do empreendimento, conforme Tabela 13 do ElA, sendo a grande parte (R$ 112.200.898,00) para aquisições de propriedades e benfeitoria, R$ 56.097.348,00 para realocações de pessoas do Tanquã e somente R$ 25.244,34 para “outras ações”, onde se pressupõe estarem os gastos com compensações ambientais previstas nos 31 programas ambientais (apenas um dos programas ambientais tem o custo estimado que ultrapassa os recursos financeiros previstos para TODOS os programas ambientais que envolvem as ações ambientais, conforme item 6.7.1 do Parecer do Assistente Técnico de Promotoria”.

Fui conhecer o Tanquã pessoalmente na semana passada, num passeio de barco para fotografar aves. Não sou uma ambientalista radical. Por mais lindo que seja o local, por mais doído que seja o pensamento de que toda aquela beleza pode ser destruída pela construção da barragem, eu não defenderia o Tanquã a qualquer custo.

Sei que não tenho conhecimento suficiente para julgar os méritos da hidrovia, e não acho que a natureza precisa permanecer intocada. Acredito que o ser humano tem que encontrar formas de desenvolvimento racional e integrado.

Talvez a destruição do Tanquã seja realmente essencial para o desenvolvimento econômico da região. Espero que não seja. As pessoas tinham me falado sobre a possibilidade da ferrovia, e o documento do Dr. Ivan Castanheiro diz que os relatórios do consórcio não analisam a possibilidade de uma ferrovia (sob o argumento estranho de que não é responsabilidade do Departamento Hidroviário construir ou planejar hidrovias, ou seja, se a ferrovia for a melhor alternativa em termos de custos, eficiência e preservação ambiental, não interessa, porque não é da alçada do Departamento Hidroviário).

Prezado Dr. Otávio, eu, e muitos colegas não pedimos que o Tanquã seja salvo a qualquer custo. Só pedimos que a natureza e o futuro sejam tratados com respeito que lhes é devido. Hoje todos sabemos das consequências funestas da destruição ambiental. Sempre que surge um empreendimento em que as ações ambientais compensatórias são tratadas com esse descaso que o consórcio Themag/Ebei/Vetec/Umah demonstrou, vem a pergunta “as pessoas que escreveram esses relatórios e tomaram essas decisões não têm filhos ou sobrinhos? Eles realmente não se importam com enchentes, seca, efeito estufa, assoreamento, racionamento de água, mudanças climáticas?”.

Se o Tanquã tiver que ser destruído em prol de um grande desenvolvimento econômico, que não poderia ser feito de outra forma, aceitamos. Mas esperamos que as medidas compensatórias estejam à altura do sacrifício. Não só em nome das aves, mas principalmente pelo futuro.

Sempre que destruímos um pedaço da natureza pioramos o futuro. Nas obras de centenas de milhões de reais haveria muito espaço para ações compensatórias. Até hoje é raro vermos ações efetivas porque no geral os empreendedores enxergam a natureza apenas como um estorvo ao seu trabalho de resultados e lucros imediatos.

Mas nós somos birdwatchers, e nosso amor pelas aves nos fez olhar para a natureza com outros olhos. Em um primeiro momento porque a natureza é o lar desses seres que nos trazem tanto deleite, que curam estresse e neuroses. No aprofundamento dessa relação, passamos a prestar mais atenção às ameaças da natureza, e às informações do quanto ela é essencial para a qualidade de vida de todas as pessoas.

Li as notícias em retrospectiva e lamento não termos nos mobilizado antes. Mas estamos atentos agora, acompanhando as decisões, e com grandes esperanças de que desta vez e daqui pra frente a natureza e o futuro recebam a importância que merecem.

Muito obrigada pela sua atenção,

Claudia


 

 

Ações a favor da divulgação do birdwatching e da conservação da natureza (+)

Relatos de passeios feitos no Tanquã