alta floresta mt
Fundação Cristalino - Alta Floresta - MT
roda alter do chao para
Escola Indígena Alter do Chão - PA
roda caracarai roraima
Parque Nacional Viruá - Caracaraí - RO
roda cedep fpolis sc
Oficinas do Saber - CEDEP - Fpolis - SC
roda colonia wilson uruguay
Escola Rural de Colonia Wilson - Uruguay
roda igapo-acu am
Vilarejo de Igapó-açu - BR 319 - AM
roda jatobazinho corumba-ms
Escola Jatobazinho - Corumbá - MS
roda ouro preto itacolomi mg
Parque Estadual Itacolomi - Ouro Preto - MG
roda surui rondonia
Escola da Aldeia Paiter-Suruí - Cacoal - RO
roda vila rayol itaituba
Vila Rayol - Parque Nacional Amazonia - Itaituba - PA
roda-aruana
Escola da Aldeia Buridina - Aruanã - GO
roda-barra do quaraí-rs
Escola Municipal 22 de Outubro - Barra do Quaraí - RS
roda-chapadao do ceu
Escola Micael - Chapadão do Céu - GO
roda-itacolomi-2
Parque Estadual Itacolomi - Ouro Preto - MG
roda-parque das dunas natal-rn
PIBID/UFRN - Parque das Dunas - Natal - RN
roda-sao roque de minas
Instituto Ellos de Educação - São Roque de Minas - MG

 

A Roda de Passarinho é uma atividade criada por mim e pela minha esposa, Gabriela Giovanka. Sou designer gráfico e fotógrafo e Gabriela tem formação em Administração e especialização em Naturologia. Somos proprietários da Reserva Rio das Furnas, que é uma Reserva Particular de Patrimônio Natural – RPPN, localizada na cidade de Alfredo Wagner – SC.

Um dos nossos trabalhos ambientais é viajar pelo Brasil para fotografar a natureza, especialmente as aves, e conhecer mais sobre a cultura das diferentes regiões. Produzimos posteres com fotos das principais aves de cada bioma brasileiro – já fizemos do Pantanal, Floresta Atlântica, Amazônia e Pampa – Cerrado e Caatinga estão em produção. Durante essas expedições fotográficas temos visitado escolas para oferecer uma forma de crianças e adultos sentirem-se mais próximos da natureza.

Por meio de fotografias, sons da mata, sementes, flautas, conversas, questionamentos e interação entre os membros da Roda, procuramos despertar a curiosidade e o entusiasmo pela Natureza.

Temos apresentado a Roda para crianças e educadores nas cidades por onde passamos durante nossas expedições, mas é possível combinar em outros locais. Neste post você encontrará um relato detalhado da atividade. Se tiver interesse em ter a Roda em sua escola, entre em contato pelo e-mail riodasfurnas@gmail.com

Uma definição da Roda que nos agradou foi a da Professora Midori Hijioka Camelo – UFRN, assim descrita:

“Numa cena do filme-documentário Janela da Alma de Jorge Jardim e Walter Carvalho, José Saramago diz: “Se Romeu tivesse os olhos de águia, não teria se apaixonado por Julieta”.

Damos-nos conta, então, que, nossos sentidos condicionam nosso modo de ver, pensar, e ser. As aves têm sentidos distintos dos nossos, seja na acuidade visual seja na auditiva. Mas como adentrar ao universo das aves, como conhecê-las, admirá-las e respeitá-las? Como vislumbrar desdobramentos pedagógicos resultantes de toda essa incursão em seu universo?

A Roda de Passarinho, criada e desenvolvida por Gabriela Giovanka  e Renato Rizzaro, consiste em uma atividade que instiga a sensibilização, percepção e construção de conhecimentos numa perspectiva mais dialógica e sensível. Como o nome indica, o foco da atividade está em aprender a observar, reconhecer e/ou investigar as aves. Dentre outros aspectos, a proposta inclui o aprendizado e a atenção para o ver, ouvir, registrar e interagir. Promove uma aproximação ao universo dos apaixonados e estudiosos das aves (ornitólogos) e o diálogo entre seus saberes e fazeres. E nos ensina: ‘quando você avista uma ave, lembre-se: ela já te viu e ouviu bem antes que você saiba. Se você a vê, é porque ela está lhe permitindo…’. 

Originalmente criada para o público infantil, os autores da Roda aceitaram, recentemente, experimentar as possibilidades de inseri-la na formação de professores para atuação sobretudo em espaços não formais, com a finalidade de resgatar os afetos e percepções dos educadores, sugerindo que se promovam vivências e atividades interdisciplinares no ensino de ciências. Para tanto, a Roda sofreu uma adaptação ao público adulto e com foco na organização do trabalho docente com o conteúdo específico de aves (observação, registro, preservação); em seguida, a Roda circulou por outros campos e se fez presente na forma de vivência em plena Caatinga; por fim, os participantes das duas atividades foram convidados a escrever um relato, em primeira pessoa e em tom narrativo e descritivo, sobre o desenvolvimento das mesmas, ressaltando aquilo que tais atividades os fez sentir, pensar e conhecer.”

 

Descrição da Roda de Passarinho

Depois de entrar em contanto com os responsáveis pela escola ou instituição procuramos por um local (uma sala, um pátio, a sombra de uma árvore) arejado, silencioso e com o mínimo de interferências externas, como pessoas passando, que possam tirar a atenção.

Formamos um grupo de no máximo 20 participantes (por conta do material que distribuímos) e preferencialmente crianças na faixa etária de 7 a 12 anos. Sempre sugerimos a participação de mais de um professor e, quando possível, a presença de alguém da comunidade.

O tempo médio de duração da atividade é de 2 horas, escolhido para não haver interrupções, entre merendas, antes ou depois do almoço, fim de tarde, enfim.

A formação em roda é fundamental e a primeira atividade é a apresentação dos participantes. Após, iniciamos a distribuição das fotos (originais em papel fotográfico no formato 13x18cm) de paisagens, animais e plantas, viradas para baixo (de maneira que ninguém veja a imagem). Quando todos receberam um foto, solicitamos que virem ao mesmo tempo e incitamos o comentário entre os vizinhos. Cria-se o que chamamos de caos da curiosidade, instigando perguntas e respostas entre os participantes. Focamos as fotos que chamam mais atenção, apresentam um animal ou situação pouco conhecidos ou aquelas em que algum dos participante sente-se à vontade para comentar. Depois de algum tempo rodamos as fotos novamente, para que todos possam vê-las, e voltamos a guardá-las.

Hora da atividade física que pode ser alongamento, pular de um pé só, dançar…

Voltamos a formar a Roda e, seguindo a mesma dinâmica, distribuímos outra quantidade de fotos. Agora somente de aves e o caos da curiosidade é novamente formado. O assunto gira em torno dos nomes das espécies, área de ocorrência, se são conhecidas ou não, etc… Depois de algum tempo rodamos as fotos novamente, para que todos possam vê-las, e voltamos a guardá-las.

É hora da Tarrafa de Bola, que busca desenvolver a sincronicidade e a cooperação. Tomamos esta atividade emprestada dos Jogos Cooperativos e a adaptamos para acontecer em pequenos grupos e espaços. Uma tarrafa é mantida aberta e uma pequena bola, jogada no centro, deve ser movimentada em círculos abertos tal qual uma “onda” – daquelas que as torcidas promovem em estádios de futebol.

Em seguida, incitamos o silêncio para aprendermos a ouvir as vozes da natureza e das aves. Todos deitados no chão com as cabeças para o centro. Sugerimos que fechem os olhos e embarquem nessa viagem, que começa com o som do amanhecer primaveril e termina com a saparia abrindo a noite. Entremeio, os sons de algumas aves são colocados em playback e vêm as adivinhações.

Então, sentamos em roda novamente para compartilharmos sementes secas, frutas, etc. e conversarmos sobre a interação desses elementos com as aves. O pião de tucumã é sempre bem-vindo, assim como as flautas… Passa-se tudo por todos e novamente recolhe-se o material.

Para finalizar a Roda, uma surpresa! E como é surpresa, não podemos contar… :)

Não temos patrocínio ou apoio financeiro, por isso nosso alcance é limitado. Às vezes até demoramos para responder e-mails, porque estamos em expedição em algum lugar sem acesso à internet. Mas temos muito orgulho dos projetos desenvolvidos até agora, e acreditamos que os momentos de alegria compartilhados na Roda de Passarinho se estendem para um futuro mais conectado com a Natureza.

 

Ações a favor da divulgação do birdwatching e da conservação da natureza