P1040329
ECOAVIS visitando o Instituto Inhotim
gavião bombachinha grande 1 (Accipiter bicolor)
Uma das minhas primeiras fotografias de aves. Gavião-bombachinha-grande (Accipter bicolor). Foto: Eduardo Franco.
2008.1
Uma das primeiras atividades da ECOAVIS. Foto: ECOAVIS Divulgação.
2008.2
Uma das primeiras atividades da ECOAVIS. Foto: ECOAVIS Divulgação.
2008.3
Uma das primeiras atividades da ECOAVIS. Foto: ECOAVIS Divulgação.
01
ECOAVIS visitando um o Parque Ecológico da Pampulha. Foto: ECOAVIS Divulgação.
ECOAVIS
ECOAVIS visitando um dos Parques de BH durante o Projeto Avistavis. Foto: ECOAVIS Divulgação.
P1050094
ECOAVIS coletando assinaturas para o Movimento Pró Lagoa Seca. Foto: ECOAVIS Divulgação.

 

Missão da Ecoavis: “Estimular, por meio da prática da observação de aves, um maior contato com a natureza e sua conservação.”

Minha história como observador de aves é paralela à história da ECOAVIS. Tudo começou em 2008, quando eu trabalhava no Inhotim, como Gestor Ambiental e responsável pelos projetos de Biodiversidade que serviram de base para o Plano de Manejo da RPPN do Instituto. Naquele momento acabei conhecendo grupos de estudos de mamíferos, répteis, anfíbios e aves. Naquele momento eu também desenvolvia um projeto com primatas, mais especificamente com a espécie Callicebus nigrifrons, (guigó ou sauá). Quem conhece esse bichinho, sabe que ele não costuma dar mole e que em ambientes pouco utilizados pelo homem, ele é bem arisco e críptico. Como eu passava dias e dias sem encontrar com eles, acabava fazendo uns cliques de outras coisas, como flores e passarinhos. Comecei a mostrar essas fotos para o pessoal de ornitologia e acabei ajudando, com alguns registros bem legais… Pronto, comecei a gostar da coisa. Me recordo que duas espécies que eu sempre amava encontrar era Antilophia galeta (soldadinho) e o Myiothlypis flaveola (canário-do-mato). Além deles, acabei conseguindo duas fotos que na época foram bem legais, Accipiter bicolor (gavião-bombachinha-grande) e o Nonnula rubecula (macuru). Desde então, nunca mais parei de olhar para o alto…

Alguns membros da equipe de ornitologia faziam parte de um grupo de observadores de aves e naquela época me pediram autorização para uma visita ao Inhotim, ali eu tomava conhecimento da ECOAVIS. No final de 2009, um ano após a criação, eu me tornei sócio. Desde então, a ECOAVIS é parte da minha família, da minha profissão, do meu dia-a-dia e, principalmente, do meu estilo de vida. Bem, mas esse não é um texto sobre mim e sim sobre algo bem maior, sobre algo que tenho orgulho de fazer parte.

A ECOAVIS foi concebida com vocação para ser destaque. Contando com a contribuição de profissionais de diversas áreas, o grupo fundador garantiu criação de logotipo, estatuto social, programas e projetos que evidenciavam que ali nascia algo muito maior que um clube de observação de aves. A ECOAVIS é uma ONG ambientalista, o que é evidenciado em sua missão: “Estimular, por meio da prática da observação de aves, um maior contato com a natureza e sua conservação.”.

Quem curte passarinho sabe que nós respiramos isso. Não há dia em que não às notamos ou tratamos de ler ou escrever algo sobre elas. Não existe dia em que não queremos olhar, fotografar ou gravar alguma ave. Antes do término de uma passarinhada, já estamos pensando na próxima. A ECOAVIS é assim. São raros os finais de semana que não estamos em alguma atividade. Aqui destaco o primeiro ingrediente dessa receita de sucesso: programação. A rica e movimentada programação de atividades da ECOAVIS é o que mantém a ONG viva e os sócios ativos. Apesar dos vários projetos e parcerias, nunca nos esquecemos que passarinheiro gosta de passarinhar!

Belo Horizonte, onde a ONG está sediada, é privilegiada pelo seu relevo acidentado. Área de transição entre Mata Atlântica e cerrado, emoldurada pelas impressionantes serras de campos rupestres com inúmeras nascentes, a cidade possui grande riqueza de ambientes e, consequentemente, de aves. A capital mineira possui mais de 70 parques municipais e várias outras praças e áreas verdes. Não atoa é conhecida como cidade jardim. Um dos projetos de maior sucesso da ECOAVIS, o Projeto Avistavis, é fruto de parceria da ONG com a Fundação deParques de Belo Horizonte. A ECOAVIS entende que deve privilegiar e manter uma sequência de atividades fixas dentro do município, com visitas sistemáticas aos parques. O projeto consiste na visita mensal a um dos parques municipais. A Fundação de Parques nos garante entrada, com todos os equipamentos necessários e em horários que definimos, para realizarmos nossas atividades. Em contrapartida a ECOAVIS elabora um relatório com a lista de espécies, fotografias e impressões sobre o parque. Além disso, a Prefeitura de Belo Horizonte mantém uma página especial para o projeto em seu Portal. Projeto semelhante ocorre com a Fundação Zoo Botânica, que também nos garante acesso aos Jardins Zoológico e Botânico, bem como ao Parque Ecológico da Pampulha. Aqui destaco o segundo ingrediente dessa receita: parcerias.

A observação de aves é uma atividade tão fascinante e difundida mundialmente graças, em parte, à sua característica democrática. Qualquer pessoa, de qualquer idade ou profissão, pode ser um observador de aves. Pode fazer isso por lazer, como profissão e até como pesquisa. Não importa os meios nem os fins, importa que todos podem. Sabendo disso, a ECOAVIS desde sempre cultiva e incentiva a divulgação e a democratização da atividade. Apesar de receber doações, patrocínios e um programa de contribuições e benefícios, ECOAVIS nunca cobrou taxa de associação nem em suas atividades. Após quase 6 anos de existência, a ONG possui cerca de 400 e-mails cadastrados em seu grupo e tem média alta média de participação em todas as passarinhadas. Como fruto desse envolvimento e da colaboração de pessoas envolvidas com imprensa, a ECOAVIS também tem destaque na mídia e procura sempre colocar os passarinhos em revistas, jornais e na televisão. Incluo o terceiro ingrediente da receita: democratização.

O quarto ingrediente da receita é um dos que eu recomendo que todos os clubes e observadores de aves nunca se esqueçam: ambientalismo. Não faz o menor sentido ser observador de aves se você não se preocupa com a conservação ambiental. A ECOAVIS entende isso e desde sempre é comprometida com movimentos e causas ambientais. Liderando ou colaborando, a ONG sempre dá sua contribuição. Educação ambiental, informações técnicas e apoio na elaboração e execução de projetos, são algumas das formas que transformamos a observação de aves em uma ferramenta para a conservação ambiental.

Todos os ingredientes listados acima são fundamentais e se algum deles faltar, a receita não funciona. Entretanto, toda receita tem o seu ingrediente fundamental, aquele que torna a receita única. No caso da ECOAVIS, esse ingrediente é: comprometimento. A ECOAVIS é feita pelos seus sócios. Absolutamente nada seria possível se a ECOAVIS não contasse com o comprometimento voluntário das pessoas. Muito além do tempo, trabalho e dinheiro que cada um investe, a ECOAVIS agradece a cada um dos seus sócios pela paixão que mostram. Quando algum sócio fala da ECOAVIS, fala com brilho nos olhos. Aprendemos que não basta ser sócio, precisamos SER ECOAVIS. Sabe aquela coisa de vestir a camisa, tacar a faca nos dentes e lutar por uma causa, é assim que somos. Me emocionar escrevendo esse texto é prova suficiente de que me orgulho todos os dias, desde 2009, por ser um ECOAVIANO!

 

Ações a favor da divulgação do birdwatching e da conservação da natureza (+)