Todo ano, no início de outubro (durante a primavera), a divisão de fauna do DEPAVE (Departamento de Áreas Verdes) de São Paulo organiza um minicurso de observação de aves para iniciantes no Parque do Ibirapuera durante 3 dias. Neste curso, normalmente há um dia de apresentação das diferentes ordens de aves e de dicas de observação, como vestimentas adequadas, equipamentos como binóculos, câmeras, uso de playback, etc…

Pica-pau-de-banda-branca (Dryocopus lineatus) Lineated Woodpecker

 

  • Texto e fotos: Flávio Sousa
  • Câmera: Canon SX30

No segundo dia de curso, há sempre a “aula prática”, com saída de campo pelo parque a fim de observar e identificar as espécies que por lá habitam. No final desta atividade, os vários grupos formados para este fim, se reúnem e é feito um senso oficial anual das espécies observadas.

No terceiro, ocorrem palestras de temas diversos que variam todo ano, mas sempre ligadas ao assunto de observação, aves, fotografia, etc…

A turma de interessados, que aliás cresce a cada ano, é na maioria de biólogos. Mas veterinários e também outras pessoas, de outras diferentes profissões estão sempre presentes.

Em todo curso que ocorre, os alunos também recebem um Guia de Aves do Ibirapuera, totalmente gratuito (como todo o curso por sinal). E no final do evento ainda são sorteados livros e pôsteres também relacionados ao assunto fauna.

A equipe envolvida no curso é formada por vários profissionais da divisão, mas os biólogos Anelisa e Marcos Melo dão o Show! Experts, são eles que dão as palestras do primeiro dia e na aula prática são profundos conhecedores dos cantos e das espécies!

Já faz 3 anos que participo do curso, é sempre bem legal. Neste ano foram observadas muitas aves e como o curso é sempre nesta época a atividade dos animais é enorme, cantando, procurando substrato e fazendo os ninhos, alimentando os filhotes, chocando os ovos…

Começamos andando e de cara já vimos um galo-da-campina ou cardeal-do-nordeste, que deu um show, fazendo pose, tranqüilo, cantando em um arbusto a poucos metros do grupo. Animal este que eu particularmente só tinha visto em gaiola.

No gramado próximo a ele havia um ninho de quero-quero, inclusive cercado pela divisão de fauna para que os visitantes não atrapalhassem o sossego da fêmea e vimos também muito rapidamente o arredio-pálido, que como o nome já diz voou sem chance para fotografia.

No riacho que deságua no lago vimos um casal de mergulhões-caçadores, atraídos pelo playback. Também por ali, vimos o bem-te-vi-rajado, o neinei (lifer para mim), o pica-pau-de-cabeça-amarela (Celeus flavescens) e passou voando muito rápido um encontro. No lago várias garças-brancas-pequenas, biguás e irerês. Vimos também sobrevoando o local, um martim-pescador-grande.

Caminhando mais um pouco uma alma-de-gato deu Show, possibilitando inúmeras boas fotos.

Outros que deram show foram os papagaios-verdadeiros. Aparentemente um casal, se alimentando tranqüilamente por muito tempo nas árvores próximas a nós.

Fotografei também o pica-pau-anão-de-coleira, mas como o bicho é muito rápido as fotos não ficaram da melhores, porém vale o registro de mais um lifer para mim.

Ave também vista, mas que ainda não consegui fotografar por lá (e nem em outro lugar qualquer…eheh) foi o tuim, mas fica como objetivo para a próxima.

Uma das horas mais interessantes de se observar, foi o ataque de um gavião-carijó a um filhote de bem-te-vi, que ainda vocalizava enquanto o gavião o segurava com as garras e era perseguido, mas sem sucesso, pelos pais do filhote. Nessa hora os “meninos” todos disseram: “UAU!…” e as meninas: “AAAAAAAAHHHHHH…tadinho…” ehehehe

Depois, ainda pertinho dali, no viveiro Manequinho Lopes, avistamos também um carijó imaturo, talvez uma parte daquele bem-te-vi enha ido para ele.

Outra boa surpresa foi encontrar o sabiá-laranjeira leucístico, animal que eu só havia visto uma vez em outro local, mas que eu ainda não tinha boas fotos.

Outras aves vistas neste ano foram pardal, tico-tico, cambacica, beija-flor-tesoura, sanhaçu-cinzento, vira-bosta, pomba-de-bando, pombão, rolinha-roxa, pombo-doméstico, joão-de-barro, periquitão-maracanã, maracanã-nobre, anu- preto, sabiá-do-campo, pica-pau-de-banda-branca, urubu-de- cabeça-preta,  caracarás, além de outras aves avistadas por outros grupo.

Neste ano eles não estavam por lá, mas nos anos anteriores era possível ouvir as arapongas que passam pelo parque nesta época.

Muito bacana! Recomendo o curso, principalmente para iniciantes, mas também para quem quer simplesmente fotografar, observar ou trocar idéias com outros apaixonados pelo birdwatching.

 

Se você quiser dar uma olhada nas espécies já fotografadas no local e postadas no wikiaves (www.wikiaves.com.br), procure na busca avançada por “Parque do Ibirapuera” (Fotos-> Busca Avançada-> Campo: Local).

 

Inscrições para os cursos (mas este de birdwatching só acontece uma vez por ano em outubro):

cursosfauna@prefeitura.sp.gov.br

 

 

Ações a favor da divulgação do birdwatching e da conservação da natureza (+)