O Brasil tem 23 espécies de corujas. Esses animais possuem adaptações especiais para caçar, inclusive um voo muito silencioso. Saiba mais sobre as aves de rapina, em especial a coruja-buraqueira, uma das corujas mais comuns no Brasil.

As corujas são essenciais no controle da população de ratos.

 

  • Texto: Daiane R. Barros.
    Coordenadoria de Agricultura e Meio Ambiente de Vista Alegre do Alto
  • Contato: daianebarros159@hotmail.com
  • Originalmente publicado no site da Prefeitura de Vista Alegre do Alto em 11/05/2012

Nesta coluna trataremos de mostrar a beleza e os segredos de algumas aves. Desde o início do ano venho colhendo informações sobre as aves encontradas aqui no Município de Vista Alegre do Alto, é justo que vocês também conheçam um pouco mais sobre essas criaturinhas encantadoras, que nos acordam todas as manhãs com suas belas melodias, e sobrevoam nossas praças em bandos barulhentos, dançando na mais perfeita sincronia, ou que simplesmente visitam as flores dos nossos jardins, exibindo suas cores e habilidades, e ainda tem aqueles atrevidos que entram em nossas casas em busca de uns farelinhos. Independente do tamanho, da cor ou do canto, é impossível ver uma ave voando e não sentir a sensação de liberdade.

Para começar com chave-de-ouro, vamos a um dos grupos mais impressionantes e importantes: as aves de rapina.

Aves de rapina é um termo utilizado para classificar aves com hábitos predatórios, elas possuem adaptações para caça, como uma visão aguçada capaz de localizar suas prezas a dezenas de metros, bico curvo e afiado e garras em forma de foice, armas extremamente poderosas adaptadas para caçar. Neste grupo encontram-se os gaviões, águias, falcões e corujas. Irei iniciar esta coluna falando de um grupo especializado em caça noturna: As corujas, além de possuírem garras e bicos afiados, possuem uma visão altamente desenvolvida capaz de desviar de obstáculos em meio à floresta e uma super-audição: ferramentas que possibilitam caçar suas presas na mais completa escuridão. São aves realmente fantásticas!!

Dentro desse grupo existem algumas espécies que possuem hábitos de caça diurna, como é o caso da CORUJA BURAQUEIRA, facilmente encontrada durante o dia e muito comum em áreas urbanas.

Das 23 espécies de corujas encontrada no Brasil, a coruja buraqueira é mais comum, justamente por seu hábito diurno. Medindo 23 cm, esta corujinha pode ser vista pousada em cercas, postes ou no solo. Abrigam-se e constroem seus ninhos em buracos feitos no solo, daí a origem do seu nome popular “buraqueira”.

Alimentação: Alimenta-se de roedores e morcegos, sendo importante predador para o controle desses animais. Porém, grande parte da sua alimentação é constituída de insetos e aranhas.

Vale ressaltar que as corujas são vista como animal de agouro ou de mal pressagio, mitos que acabam resultando na caça preconceituosa destes animais. É importante lembrar que as corujas, têm um papel fundamental para o equilíbrio de animais tidos como pragas, como é o caso dos ratos, portanto sempre que avistar uma coruja próxima a sua casa, alegre-se! Ela é uma ótima caçadora desses bichinhos indesejáveis.

A preservação dessas espécies é fundamental para o equilíbrio ambiental.

 

Agradecimentos

  • Agradeço a oportunidade de poder mostrar a riqueza da avifauna municipal.
  • Em especial ao Biólogo e Ornitólogo Willian Menq, pelas aulas e material cedido para construção deste texto.

Para mais informações sobre aves de rapina acesse: www.avesderapinabrasil.com

Referências

  • Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira
  • Sigrist,T. Guia de Campo Aves do Brasil Central. Avis Brasilis, 2007

 


Veja mais fotos de aves-de-rapina na Virtude (clique na foto)