Abre-Cerrado

Luz desnorteante para quem vem da Mata Atlântica. Paisagens abertas e amplas, longas distâncias, menos diversidade e cores comparadas às aves da mata fechada, mas várias preciosidades. Mais fácil conseguir fotos boas porque há mais luz, mas nem sempre é fácil localizar as aves. Um iniciante sem guia ornitológico verá pouca coisa. 

O bioma: O Cerrado ocupava mais de 20% do Brasil. Pode não parecer, mas ele é o berço das águas. Três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul têm origem no Cerrado. Também é no Cerrado, esse lugar cada vez mais dizimado pela soja e pelo gado, que fica um dos maiores mananciais do mundo de água doce subterrânea, o aqüífero Guarani. O Cerrado tem cerca de 10 mil espécies vegetais, mais de 800 espécies de aves, 160 espécies de mamíferos.

O que você pode ver: algumas espécies emblemáticas da região: campainha-azul, galito, papa-moscas-do-campo, bandoleta, seriema, bico-reto-de-banda-branca, chifre-de-ouro, águia-chilena, pato-mergulhão. Os avistamentos podem não ser fáceis, mas recompensam muito.

Destaques: A região da Serra da Canastra é a área de Cerrado mais famosa no Sudeste. Dentro do parque da Serra da Canastra as estradas são ruins, é bastante cansativo, e é proibido usar playback. Em Alto Paraíso de Goiás a viagem foi mais confortável, mas exigiu um vôo para Brasília e depois mais 2h30 de transfer até a cidade. Brasília é um ótimo destino, que reúne a estrutura da cidade, mais os parques urbanos, a Flona, e RPPNs. Claro que você pode passear em locais próximos da sua casa, com fragmentos de Cerrado, sempre rende fotos.

É preciso ter um guia? Para uma viagem a um lugar mais afastado, se você é iniciante, com certeza. Passarinheiros experientes, com olhos e ouvidos treinados, pegando várias dicas com quem já foi e levando playback, e que não se incomodam com grandes distâncias conseguem ir sem guia.

Guias ornitológicos
– Geiser Trivelato guia na região da Canastra. Ele tem um acordo com o Hotel Chapadão da Canastra, se você ficar hospedado lá não é preciso pagar a estada dele. É um ótimo guia, e sempre publica fotos na Revista Terra da Gente. Ele mora em Jacutinga, outro lugar que vale a pena passear, eu já fui umas três vezes. É de Mata Atlântica, mas possui muitas áreas abertas. www.geisertrivelato.webs.com.

– Cal Martins nos guiou no Tocantins, a fazenda em Abreulândia é de um conhecido da família dele, mas acho que não está mais aberta para visitação. O Cal mora em Dourado – SP, outra cidade famosa pela diversidade de aves. Na Canastra outro guia recomendado, mas com quem nunca saí, é o Zé Maria.  Todos podem ser contactados pelo Wikiaves.

– O Alessandro Abdala mora em Sacramento (onde fica uma das entradas para o parque da Canastra). Ele é fotógrafo profissional e também guia na região. Ainda não fiz uma saída com ele, mas sei que ele tem fotos maravilhosas. www.alessandroabdala.com

– Em Alto Paraíso de Goiás nossa guia foi a Ana Rosa Cavalcante, dona da Eco Rotas Turismo. Conhece bem a região e vimos muitas aves com ela, mas tem menos experiência como guia ornitológica. www.altoparaiso.com

– Jonatas Rocha mora em Brasília e conhece muito bem a cidade. Fiz um passeio com ele em julho de 2014.

– Eduardo Franco também está fazendo ótimos passeios guiados, alguns em parceria com Ricardo Mendes, da Minas Birding Tours.

 

Posts relacionados com o Cerrado – em ordem cronológica de publicação