Poucas pessoas sabem que o interior de São Paulo abriga um minipantanal. É emocionante e quase inacreditável ver tantas garças, cabeças-secas, tuiuiús, colhereiros, marrecas (e saber que há jacarés-de-papo-amarelo) tudo isso numa região tão urbanizada.

Por que vale a pena: paisagens andinas com cenários amplos, campos abertos, regiões montanhosas, lagos espelhados a mais de 4.000 de altitude, céus imensos com nuvens de algodão. E tudo isso nem era o foco da viagem: era apenas o caminho para chegar até o Manu, um dos principais parques nacionais do Peru, Reserva da Biosfera com 18 mil quilômetros quadrados e mais de mil espécies de aves registradas.

Piracicaba é uma cidade com geografia interessante e sempre tive interesse em passarinhar por lá, ainda mais depois de ver o post da Claudia Covolan sobre a Rua do Porto. Aves comuns como garças, savacus e biguás, mas tudo bem lá do ladinho dos restaurantes. No dia que ela foi, ainda topou com uma boa …