O que é o birdwatching no Brasil?

Quer saber mais sobre o birdwatching e a fotografia de natureza?

  • Home
  • duas colunas
  • News
  • Alternative
  • Banner
  • Featured
  • Plain
  • Condensado
  • Celular
  • Mansonry
  • Oito quadrados
  • Três colunas
  • Celular2

 

O que é birdwatching?

O birdwatching é um hobby antigo, que começou na Inglaterra do século XVIII. É um passatempo famoso no mundo inteiro, com milhões de adeptos, principalmente nos Estados Unidos, onde 20% da população acima de 15 anos (46,7 milhões) são birdwatchers.

No Brasil, em vez de apenas olhar com o binóculo, as pessoas gostam de fotografar as aves, e o hobby tem crescido graças à popularização das câmeras digitais, redes sociais, e sites como o Wikiaves. 

 

Quem pode praticar o birdwatching?

Qualquer pessoa, sem restrições. As aves estão em todos os lugares, e todas as espécies, inclusive as comuns como pardal, sabiá, tico-tico, quero-quero, têm comportamentos fascinantes e fotogênicos. Você pode passarinhar no quintal da sua casa, no parque da cidade, ou fazer alguma viagem para um lugar distante só para ver aves.

Crianças de 7 anos, com a ajuda de adultos, já conseguem se divertir. Pessoas com limitações de locomoção também podem, é só seguir em um ritmo mais tranquilo. Mesmo pessoas com deficiência visual podem apreciar as aves por meio dos sons.

 

Qual a graça de observar as aves?

É uma atividade altamente viciante! Há 10 mil espécies de aves no mundo, mais de 1.900 só no Brasil. As aves são muito bonitas, fotogênicas, é possível observá-las em comedouros e bebedouros e, com um pouco de prática, também nas matas e nos campos. É comum vê-las se alimentando, saltando, comendo, brigando, namorando, alimentando filhotes.

Só de olhar, já é uma grande terapia de relaxamento, alternada com a adrenalina de encontrar uma espécie que você queria muito ver, ou quando elas pousam perto ou permitem que você se aproxime. Mas, além de olhar, os brasileiros gostam de fotografar. Com essas novas câmeras digitais, é cada vez mais fácil você ser o autor de lindas fotos.

Passarinhar também é a desculpa perfeita para passear mais, viajar mais, adquirir e praticar novos conhecimentos (seja em ornitologia, em câmeras, gravadores, edição de imagens, blogs), e conhecer outras pessoas do bem que se importam com preservação ambiental e são apaixonadas pelas aves.

 

Cuidados e segurança

Caminhar na mata é uma atividade muito prazerosa. Há riscos e perigos, que podem ser facilmente evitados seguindo as recomendações de pessoas experientes. Medidas simples como não sair sem água, passar protetor solar, roupas apropriadas, repelente, não colocar as mãos em frestas ou outros locais que podem abrigar animais peçonhentos, não adentrar em trilhas se há risco de você não conseguir voltar, cuidados com seu equipamento, seguro. O Wikiaves mantém atualizado um Manual de Segurança, com várias dicas, vale a pena olhar: http://www.wikiaves.com.br/wikiaves:manual_de_seguranca

 

Com o birdwatching, você ganha super-poderes

Algo acontece no seu cérebro, não sabemos explicar. O fato é que as pessoas passam a enxergar mais, ouvir mais e, para algumas pessoas que têm o dom, passam até a reconhecer as vozes das aves: a pessoa ouve o canto ou um pequeno chamado, e já sabe qual é a ave.

Além de conseguir ver as aves onde antes parecia haver apenas folhas ou capim, e de reconhecer sons que antes passavam desapercebidos, sua percepção geral aumenta. Você passa a reparar mais no ambiente, nas flores, nos frutos, indícios de atividade de animais, sombras, clima, mudança do tempo. E tudo isso em pouco tempo, às vezes basta uma hora de prática orientada, e logo sua visão já mudou.

Passarinhar também muda sua percepção do mundo. Não vou dizer que acontece com todos, mas muitas birdwatchers começam a ver as questões da ecologia sob uma outra ótica, algo que pode mudar suas escolhas políticas e de consumo. De qualquer forma, é um aumento de visão.

 

Quanto custa uma câmera para fotografar aves?

Há equipamentos de vários tipos. Com uns R$ 600 no Brasil você compra uma Sony DSC-H50 usada (já está fora de linha), uma câmera compacta com zoom de 15x e 9MP. Se tiver alguém para trazer dos Estados Unidos você tem um modelo mais avançado como a Sony DSC-HX200v, com zoom de 30x e 18MP (na Amazon, em janeiro de 2013, a partir de US$ 290). Outros modelos bem falados para fotografia de natureza são a Canon SX 50, por US$ 370, e a Panasonic Lumix FZ200, por US$ 400.

As câmeras compactas estão cada vez mais poderosas, mas é preciso dizer que uma DSLR (essas que trocam as lentes) é mais emocionante e mais fácil para localizar a ave, e os resultados geralmente são melhores, especialmente em ambientes com menos luz.

Mais informações sobre DSLR http://tecnologia.uol.com.br/guia-produtos/imagem/ult6186u20.jhtm

Mais informações sobre câmeras, inclusive sobre DSLRs:

 

Quanto custa um binóculo para ver aves?

Há vários tipos de binóculo, e o critério não é quanto maior o alcance, melhor. Por exemplo, binóculos náuticos não servem para birdwatching. O binóculo ideal para birdwatching tem boa luminosidade e permite ver as aves com facilidade inclusive quando elas estão a poucos metros de distância. Os mais usados são o 8×42 e o 10×42.

Um binóculo bom para quem está começando é o Comet 8×42. Antes da alta do dólar era possível encontrar por uns R$ 160. Agora (este parágrafo foi escrito em março de 2015), o preço mínimo está em R$ 200.

Para quem é mais experiente, ou que prefere começar comprando um binóculo de maior qualidade, um dos mais recomendados é o Nikon Monarch, que custa entre US$ 200 a US$ 500, dependendo do modelo.

Mais informações sobre binóculos: http://virtude-ag.com/conhecimento-indicacoes-de-binoculo-gps-playback-set2014-por-claudia-komesu/

 

Como começar a observar e fotografar aves?

Pela manhã, logo que o sol nasce, é o melhor horário para ver as aves. Muita gente não gosta de madrugar, mas depois que você descobre o que pode ser visto entre as 6h e às 10h, encontra a coragem para sair da cama.

Em um sítio, na região rural ou em áreas com mata e campos preservados há mais oportunidades, mas nos parques urbanos também há boas chances, menos quando há gente demais. Por exemplo, o Parque Villa-Lobos (na cidade de São Paulo) é bastante movimentado de gente entre as 6h e às 8h, prefiro ir lá mais tarde.

Caminhe devagar, atento a sons e movimentos. Preste atenção a árvores floridas, frutos caídos no chão. Avistou uma ave, faça uma foto, e depois tente se aproximar devagar, e sem gestos bruscos. Faça uma outra foto, ande mais um pouco.

Dificuldades para achar a ave no visor da câmera, seja compacta ou DSLR? Se sua câmera tiver zoom, diminua o zoom, encontre um objeto de referência, como uma árvore ou um tronco em formato diferente, mire nele e vá fechando o foco até encontrar a ave.

Sair com um guia ornitológico ou com um colega mais experiente ajuda bastante a aprender, mas mesmo sozinho sempre é possível ver aves.

O melhor é começar nos arredores da sua casa. Para se familiarizar com o binóculo ou com a câmera, e para sempre ter uma opção de passeio. Quando se sentir preparado para fazer viagens e passeio em busca de aves, a seção “Relatos” mostra os relatos organizados por temas e tags, ou você pode paginar diretamente os posts em “Relatos“.

Como é um passeio focado em aves.

 

O que é um guia ornitológico?

O guia é alguém que vai lhe levar aos locais mais prováveis de se encontrar as aves. Geralmente o guia tem olhos de águia e uma audição apurada para reconhecer a voz da ave. Além de ser um dom, eles também estudam bastante para memorizar. Ao ouvir a voz da ave, eles sabem qual é, e se necessário tocam o playback: a gravação que eles têm da voz daquela espécie. Em muitos casos, a ave se interessa pelo som (geralmente porque acha que é um inimigo invadindo o território dela), e se aproxima.

O guia vê e ouve coisas que as pessoas sem experiência não conseguem. O guia conhece a região, os pontos mais prováveis de achar as aves. Além de não se perder, você saberá exatamente onde deve ir.

Mais informações sobre guias.

 

Onde fotografar?

Os arredores de onde você mora são um bom começo. Parques urbanos, região rural, sítio de amigos, brejos, pomares. Se houver oportunidade para comedouros e bebedouros, melhor ainda, é diversão garantida.

Mais informações sobre comedouros.

Mais informações sobre parques de São Paulo: http://virtude-ag.com/passeios-birdwatching-em-parques-da-cidade-de-sao-paulo-out15-por-claudia-komesu/

Se quiser viajar, aqui está a lista de alguns lugares populares entre os birders brasileiros: Reserva Guainumbi (em São Luis do Paraitinga – SP, perto de Ubatuba), Ubatuba – SP, Parque Estadual de Intervales (em Registro – SP), Parque Nacional de Itatiaia (em Itamonte – RJ), Hotel Parque da Lagoa (Tavares – RS), Serra da Canastra (São Roque de Minas – MG ou Sacramento – MG), qualquer lugar do Pantanal – a Pousada Aguapé é um lugar especial para fauna. Se precisar de algo mais em conta, o Sesc Pantanal também é bem falado, Cristalino Ecolodge.

Digite essas palavras no campo de pesquisa, no rodapé do site. Ou passeie pela seção Relatos, que tem organização por categorias.

Qualquer cidade de praia tem boas oportunidades. Em Peruíbe, por exemplo, Bruno Lima pode guiar tanto na cidade, como em outras regiões. Rafael Fortes guia em Ubatuba, Angra dos Reis.

Mais informações sobre onde passear.

 

Quem são as pessoas que praticam o birdwatching?

Os birders são bastante diversificados, e parece que não há um índice maior entre as pessoas ligadas à biologia. Conheci alguns passarinheiros biólogos que disseram que o birdwatching não era algo popular entre os colegas da faculdade.

Por enquanto parece haver mais homens do que mulheres, mas essa proporção tem mudado. Se tomarmos o Wikiaves como base, no início de 2009 90% dos usuários eram homens. Em 2012, uma amostra dos novos cadastrados já revelava 30% de mulheres. Nos Estados Unidos, as mulheres representam 54% dos birdwatchers.

De forma geral, as pessoas que praticam o birdwatching valorizam a natureza, muitas tinham aves em gaiola ou caçavam (numa época em que a consciência ecológica seguia outra linha), a maioria repara nas aves há muito tempo, mas não imaginava a diversão que é observar com um binóculo ou fotografar com uma câmera.

Pequeno álbum com fotos de birdwatchers.

Você também pode ver mais fotos nas páginas pessoais da seção Amigos.

Se você é gestor de um parque e tem dificuldade em diferenciar fotógrafos de natureza de fotógrafos de book, este post vai tornar tudo fácil: http://virtude-ag.com/como-evitar-um-ataque-de-angry-birdwatchers-mar2016/

 

Quantos birdwatchers há no Brasil?

Não temos uma pesquisa ampla, como é feita nos Estados Unidos. Mas a estimativa de Guto Carvalho, o organizador do maior encontro de observadores de aves da América Latina, é de uns 15 mil observadores de aves em 2013. Um número bem pequeno comparado à população de 192 milhões de brasileiros, mas até que grande para quem nunca ouviu falar do birdwatching e pensa “onde estão esses 15 mil??”.

 

Onde encontrar birdwatchers?

Uma das formas mais fáceis de encontrar essa espécie ainda rara no Brasil é entrar no Wikiaves, que conta com quase 13 mil usuários cadastrados e mais de 660 mil fotos postadas (em janeiro de 2013).

O Wikiaves é uma Wikipedia de aves, mas também é um banco de imagens e de sons, um super-mapa atual de distribuição das espécies, e rede social. Foi criado por um analista de sistemas apaixonado por aves, o Reinaldo Guedes, e é mantido com o trabalho voluntário dos moderadores, e contribuições financeiras não-obrigatórias dos associados.

Há milhares de fotos de cair o queixo. Você pode entrar em contato com o autor da foto, pedir informações sobre equipamento, sobre o local em que a foto foi feita. Você também pode ver a lista de usuários por cidade, e entrar em contato com alguém que mora na sua cidade ou próxima dela e pedir dicas de onde passarinhar.

Várias cidades também contam com clubes ou grupos de observadores de aves. Você pode pesquisar no Google “Clubes de Observadores de Aves”, e também ver este link do Centro de Estudos Ornitológicos (CEO). http://www.ceo.org.br/organiza/organiz.htm

O CEO organiza palestras, passeios e pequenas viagens para os associados.

 

O que é o Virtude-AG?

O Virtude-AG é um projeto construído voluntariamente por fotógrafos e observadores de aves. O site é gratuito, ser membro não exige nenhuma obrigação financeira, suas imagens só serão usadas dentro do site, para a divulgação da natureza. Para outros usos, como por exemplo uma revista sobre o site, sua autorização sempre será requisitada.

O conteúdo que você enviar não precisa ser exclusivo nem inédito.

A Virtude é a prática do bem. Eu, e imagino que os outros colaboradores do site, queríamos fazer alguma coisa pela natureza. Um gesto simples: compartilhar conhecimento e momentos felizes. Talvez no futuro, centenas ou milhares desses gestos possam mostrar ao mercado que o turismo ecológico e a preservação da natureza são alternativas ao desmatamento. Leia mais.

 

Como participar do site?

Para participar, basta mandar um e-mail com um texto e fotos zipadas para claudia.komesu@gmail.com. Dependendo da quantidade de fotos, você pode mandar pelo Dropbox, minha conta lá é claudiakomesu@yahoo.com (só use o yahoo para compartilhar uma pasta no Dropbox). Mais detalhes sobre o envio do material neste post.

O site é feito em WordPress, mas não espero que as pessoas saibam WP, por isso basta mandar um e-mail.

 

Quem pode participar, que tipos de fotos podem entrar?

Todos os apaixonados pelas aves e que se importam com preservação ambiental estão convidados a participar. Não há exigência quanto ao tipo de câmera, aliás, nem é preciso ter câmera. A pessoa pode ter conhecimento, ou apenas passarinhar com binóculo. Ela compartilha a experiência, e eu procuro uma foto para ilustrar o post.

Por enquanto você vê muitas fotos impressionantes, tiradas com Nikon e Canon DSLR, mas eu gostaria de ver mais fotos com câmeras compactas. Há muitas coisas para fazer, mas está na minha lista de pendências buscar pessoas no Wiki que se mostram ativas, preocupadas com questões ambientais, e não importa o equipamento.

 

Quem mantém o site?

Os membros enviam o conteúdo voluntariamente. Preparação e revisão do texto, preparação das fotos, postagem, são feitas por mim (Claudia Komesu). Consome bastante tempo, mas sou aposentada, gosto de fazer essas coisas (sou editora), e me sinto contribuindo um pouquinho pela natureza. Hospedagem em provedor canadense, template premium pago, alguns plugins: patrocínio do Cristian Andrei, meu marido.

 

O conteúdo desta página e mais destes posts pode ser livremente reproduzido para divulgação do birdwatching e da natureza.

Principais destinos no Brasil para passarinhar, sugestões de diversos passeios

Informações sobre câmeras

Informações sobre binóculos

 

Guias ornitológicos

cadastrados na Virtude

Temas do Blog


Comunicação e marketing (+)

 

Artes plásticas (+)

 

Ecologia e política (+)

 

Apenas blogando (+)