• Texto e fotos: Claudia Komesu
  • Passeio feito em outubro de 2015, mas post é de setembro 2017

Continuação da viagem de Brasília: http://virtude-ag.com/birdwatching-em-brasilia-out15-por-claudia-komesu/

Eu e o Cris tínhamos tantos dias assim porque era a semana do saco cheio nas escolas, o Daniel tinha ido viajar com a mãe dele, o Cris queria jogar o BSOP então fomos pra Brasília. Quando terminou o campeonato fomos pra uma região conhecida pelos passarinheiros de Brasília, Cocalzinho de Goiás e Pirenópolis. Escolhi um lugar longe da movimentação de Pirenópolis, que parecia ficar no meio da mata, o Refúgio da Serra (era barato, quatro diárias por R$ 590 http://www.refugiodaserra.com/). Ficava na estrada, dava para ir comer em Pirenópolis mas não era a movimentação da cidade.

Se estivéssemos lá com o Jonatas, com certeza veríamos muitas aves. Mas agora era outro pique. Viagem de casal, descanso, preguiça.

O Refúgio da Serra tinha chalés bem funcionais, com janelas grandes, vista bonita pra uma matinha de Cerrado. No jardim cantava um inhambu-chororó, mas não consegui ver. Também tinha tico-tico, canário-da-terra, peitica, tesourinha, periquitão-maracanã, suiriri-de-garganta-branca. Em Pirenópolis vimos maracanã-pequena, chupim.

O Parque Estadual dos Pireneus tem um cenário bem bonito, aquela vegetação rupestre, cachoeiras. Mas é um lugar depredado. É embasbacante como tem lixo nas estradas, nas trilhas, na cachoeira. Não que seja uma quantidade enorme, mas o pouco que tem, você não consegue entender como alguém vai passear num lugar como aquele e joga latas, garrafas, embalagem de bolacha, de salgadinho. Tem um lugar conhecido como um bom ponto pra ver o por do sol e havia vários saquinhos de lixo. O pessoal vai lá fazer um piquenique e não leva o próprio lixo embora! Um dos pontos bem conhecidos, o Morro do Cabeludo, estava fechando pra visitação. Disseram que era por depredação.

Só pudemos fotografar o Morro do Cabeludo de longe.

Topamos com um veadinho, vimos lagartos, cactos e liquens.

Nos três dias que ficamos lá fazíamos passeios pra ver a paisagem, íamos almoçar em Pirenópolis (à noite cozinhávamos no chalé). De aves vimos juriti-pupu, peitica, tico-tico-do-campo, beija-flor-de-orelha-violeta, casal de papa-moscas-do-campo brigando com o beija-flor-de-orelha-violeta (pena que muito de longe), chupim, pássaro-preto, primavera, acauã, campainha-azul, noivinha-branca, tucanuçu, fogo-apagou, um casal de periquitões (esses bem em frente ao chalé), periquito-rei, um joão-bobo com um lindo lagarto no bico.

No último dia decidimos ir conhecer a RPPN Santuário da Vida Silvestre Vaga Fogo, outra dica dos amigos de Brasília. É um lugar com Mata Atlântica, bem bonito. No caminho pra lá passamos por uma região com queimadas, pegando fogo alto ainda, sempre triste de ver. Perto da Vaga Fogo, uma garça-real num lugar com lama, perto de bois. Dentro da Vaga Fogo não tivemos muita sorte com as aves, mas ainda assim vimos chora-chuva, tico-tico-de-bico-preto, bem-te-vi-rajado, fim-fim, tempera-viola, fim-fim, pula-pula-assobiador e até mesmo um lifer pra mim, a pipira-da-taoca. É um lugar com mata bem preservada, com certeza vale a pena ir várias vezes.