A floração das cerejeiras é um dos grandes espetáculos fotográficos que você pode ver no Brasil

A cerejeira não é uma ave nativa do Brasil, mas ela se adaptou bem em alguns lugares mais frios, e as aves adoram. Pegar uma cerejeira florida na borda de uma mata é garantia de muitas oportunidades fotográficas.

Vocês já devem ter visto fotos dos festivas de cerejeira no Japão. Acho que no Brasil não há lugares com tantas árvores grandes, mas temos alguns cantinhos que trazem essa sensação de sonho cor-de-rosa.

 

Campos do Jordão

A cidade de Campos do Jordão tem várias espécies de cerejeiras, por isso você pode encontrar árvores floridas desde segunda quinzena de junho até a primeira de setembro. No ano passado fui em meados de junho e já peguei árvores floridas. Neste ano, meu guia favorito em Campos, o Thiago Carneiro, me falou que hoje (5/jun) já viu algumas árvores floridas, e que lá pelo dia 12 com certeza já haverá várias árvores bem floridas.

Campos tem um Parque das Cerejeiras mantido pela colônia japonesa. Entre o final de julho e início de agosto eles fazem festivais com comidas típicas e renda revertida para o asilo: http://festadacerejeira.net.br/informacoes/. É o tipo de evento com dezenas de ônibus, muita gente, mas se você só puder ir em fins de semana, mesmo assim ainda conseguirá fotografar aves. Se você contratar um guia como o Thiago poderá ver muitas aves e conhecer lugares lindos de Campos, mas se por algum motivo você não puder, ou ele estiver sem agenda, vá mesmo assim. O site diz que o Parque das Cerejeiras abre às 9h, mas já fomos lá mais cedo, topamos com alguém de lá que nos deixou entrar. Além das cerejeiras no parque, há outras árvores espalhadas pela cidade toda, inclusive perto do Corpo de Bombeiros, do lado do córrego, e também pros lados do auditório. Eu já fiquei plantada em frente às cerejeiras desde às 6h30, mas me parece que o melhor horário é depois das 10h. Talvez porque o calor do sol aumenta a produção do néctar ou algo do tipo, mas o fato é que em geral vi mais aves nesse horário em vez de cedinho.

 

Reserve agora

Você sabe. Julho é altíssima temporada em Campos do Jordão, a época em que a maioria das hospedagens estará com diárias de pelo menos R$ 600. O Thiago me falou que nem costuma divulgar muito o trabalho dele nessa época porque quando ele fala dos preços das hospedagens, o pessoal desanima. Os preços só voltam a normalizar em agosto. Mas dei uma olhada no Airbnb, e vi que ainda há várias acomodações a partir de R$ 200. Não li com detalhes, não sei o quanto elas são bem avaliadas, mas pela diferença de preço eu arriscaria. E se você quer fazer o passeio, se programe agora, reserve também o Thiago.

 

Parque do Carmo – Cidade de São Paulo

Fui lá em 2014 com os companheiros de aventura, Luccas Longo e Juliana Diniz. Não sei por que não fiz post no Virtude, só no meu blog. Colo abaixo um trecho. Neste ano já tem data pro Festival de Cerejeiras do Parque do Carmo: 3, 4 e 5 de agosto. Eles têm página no Facebook.

“O Parque do Carmo fica a uns 50 minutos (sem trânsito) da zona oeste. O endereço é Av. Afonso de Sampaio e Souza, 951. Esse é o endereço de uma das portarias de pedestres, se você for de carro, passe por esse ponto, avance mais alguns metros e logo você verá uma placa indicando a entrada do estacionamento. Há um pequeno estacionamento logo no início, mas passe esse, avance, e você logo verá um maior, mais próximo de um ponto de controle pelo qual só veículos autorizados podem passar.

O lugar das cerejeiras não é muito pertinho do estacionamento, infelizmente. Quando você começa a andar pelo parque, vai passar por um descampado grande, subir uns degraus, verá um lago grande, de formato oval. Pegue o caminho à esquerda do lagão. Você andará por toda essa margem, na ponta tem uma pequena área com taboas, e quando parece que você vai começar a dar a volta pelo outro lado, verá o bosques das cerejeiras.

Fui lá durante a semana, com meus companheiros inseparáveis de passarinhadas, o Luccas Longo e a Juliana Diniz, sentindo a ausência do Rodrigo Popiel – que anda cheio de contratempos. Chegamos às 7h. Na área do descampado corre um pouco de água à esquerda, fomos andando por lá em busca das aves. Um bando de tiês-de-topete, som de pica-pau-de-cabeça-amarela e pica-pau-do-campo, pula-pula. Mas estava frio e escuro, nenhuma foto boa.

Na beira do lago, frangos- d´água-comuns, biguás, garça-branca-pequena, pés-vermelhos, patos-do-mato, savacu, garça-branca-grande.

Chegando ao bosque das cerejeiras, mesmo frio, céu cinza, escuro, passamos um bom tempo admirando as flores e tentando colocar em fotos um pouco da beleza daquele cenário onírico. Como esperávamos, havia poucas aves, fora um pica-pau-de-cabeça-amarela bem no baixo e no aberto, que estava lá quando chegamos, e passou um bom tempo permitindo ser fotografado por nós e por uma dupla de garotos com mochilas bem grandes, talvez estrangeiros. O Luccas foi o primeiro a ver o pica-pau.

Em Campos do Jordão, onde já acompanhei algumas floradas, via que a atividade costumava começar depois das 10h30, 11h, quando o dia esquentava. Imagino que daí há mais produção de néctar. Antes desse horário nem as abelhas aparecem. Além do pica-pau, demos a sorte de topar com um macho de estrelinha-ametista, joia minúscula, mas que infelizmente não quis acender o pescoço.”

As cerejeiras do Parque do Carmo, São Paulo – SP: só em julho e primeira quinzena de agosto

 

Outros lugares com cerejeiras na cidade de São Paulo

O Parque do Ibirapuera também tem alguns pés de cerejeira, e me parece que primeira quinzena de julho é a época provável da floração. Julho também é o mês dos ipês roxos, que deixam o parque maravilhoso, vale a pena ver.

O Horto Florestal também tem cerejeiras, mas li que desde 2012 eles não fazem mais festivais porque a floração diminui muito. Concluíram que as árvores não se adaptaram bem ao clima do parque: http://www.portalnikkei.com.br/meio-ambiente-circuito-dos-bosques-comemorativos-do-horto-florestal-tera-visitas-monitoradas/

“Auge e queda – Segundo o presidente da Abjica, Guenji Yamazoe, as cerejeiras começaram a florescer em 2004 e no ano seguinte foi realizado o primeiro Festival de Cerejeiras do Horto. O auge, com mais florada e também o que alcançou o maior público, foi em 2008, por coincidência, ano das celebrações do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. “A partir daí, a florada começou a diminuir até que em 2012 o evento foi suspenso”, lembra Yamazoe, destacando dois motivos para o declínio da florada. O primeiro deles foi a concorrência de outras espécies nativas, que acabaram sobressaindo. O outro foi o fato de a variedade não ter se adaptado às condições climáticas. “Um indicativo foi que elas floresceram depressa, mas tiveram vida curta”, conta Yamazoe, lembrando que, em outro parque, o do Carmo, na zona Leste, a variedade se deu bem porque lá as condições são mais apropriadas.”

 

Mais cerejeiras

 

Mais Campos do Jordão

 

Mais Mata Atlântica